Caixa muda crédito habitacional

Quem possui renda acima de 12 salários mínimos (R$ 1.812,00) e não quer correr o risco de ter de esperar um ano para obter financiamento de imóvel usado terá de recorrer a empréstimos em outras instituições financeiras que não a Caixa Econômica Federal. Se o mutuário não puder esperar um ano, o imóvel em questão valer mais do que R$ 300 mil e o financiamento for de um valor superior a R$ 150 mil, o interessado terá de concordar com condições mais pesadas em outras instituições.Essas são conseqüências das mudanças feitas pela Caixa na semana passada em sua linha de crédito habitacional, que passou a exigir, nesses financiamentos, depósitos mensais por um ano no produto conhecido como Poupanção. A exigência do depósito e a demora na concessão do crédito dificultam o acesso ao financiamento de quem é inquilino.Para compra pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH) de imóveis avaliados em até R$ 300 mil e financiamentos que não ultrapassem R$ 150 mil, as condições no mercado para liberação imediata do crédito são semelhantes às da Caixa. Essa é uma saída para o interessado. No entanto, se o imóvel ou o financiamento ultrapassar os valores citados, a opção existente no mercado, a Carteira Hipotecária, é mais pesada que a antiga Carta de Crédito da Caixa.Antes, a Caixa liberava de imediato esses financiamentos cobrando juros de 12% ao ano. Com a mudança, essas condições somente são válidas para liberação do dinheiro após um ano. Os demais bancos cobram juros maiores para esse tipo de plano: 14% ao ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.