finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Caixa nega favorecimento à Cisco do Brasil em leilão

A Caixa Econômica Federal negou, em nota oficial, que tenha havido favorecimento à distribuidora da Cisco no Brasil - a empresa Damovo - em edital do banco para compra de equipamentos em leilão. A Polícia Federal investiga suposto envolvimento das duas companhias em esquema que teria gerado doação ao PT de R$ 500 mil pela ABC Industrial e Nacional Distribuidora de Eletrônicos Ltda, que seria "laranja" da multinacional.Reportagem da "Folha de S.Paulo" levanta suspeitas de que a Caixa teria beneficiado a Damovo e a Cisco em troca de doações da ABC ao PT. O benefício teria sido feito com a mudança do edital na concorrência de um contrato de R$ 9,9 milhões vencida pela distribuidora da Cisco. Na nota oficial, a Caixa Econômica afirma que a hipótese é falsa e que a versão foi apresentada "sem sustentação".O banco federal argumenta que o edital foi alterado, mas que a mudança não beneficiou a Damovo. Segundo o banco, o ajuste ocorreu no item III do edital, que não foi vencido pela multinacional. A alteração, segundo o banco, foi feita no prazo legalmente previsto e tinha como objetivo "viabilizar a participação de um número maior de interessados". A Caixa observa também que "a errata não foi objeto de qualquer impugnação" das empresas que disputavam o leilão.Na nota, o banco afirma que a multinacional venceu o item I do edital e que esse trecho não teve qualquer alteração durante o processo de concorrência. Na fase final da disputa, as empresas Conecta e Telefônica concorriam com a Damovo. Segundo a Caixa, as duas concorrentes foram desclassificadas por motivos técnicos, já que testes teriam apresentado resultado abaixo do exigido.A nota afirma ainda que as investigações que envolvem a Cisco não geraram qualquer acusação contra o banco ou funcionários da Caixa. No banco, a direção abriu processo de auditoria interna quando as denúncias foram noticiadas, há mais de 15 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.