Caixa oferece crédito para imóvel usado

A Caixa Econômica Federal estará oferecendo opções de financiamento imobiliário para a classe média (famílias com renda mensal acima de R$ 2 mil) comprar imóveis usados a partir de quinta-feira. Os créditos para os interessados na aquisição de imóveis usados com esse nível de renda estavam suspensos há quase um ano, desde 31 de agosto. A nova linha de financiamento está sendo abastecida com recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e fará parte do programa FAT-Habitação. Nessa nova modalidade de crédito, o valor-limite do financiamento é de R$ 180 mil, com valor máximo de avaliação do imóvel de R$ 450 mil para aqueles localizados em algumas regiões metropolitanas (ver quadro) e R$ 350 mil para as demais regiões. O mutuário pagará juros pela Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), que está em 10% ao ano, mais uma taxa fixa de 5,5% ao ano. O empréstimo poderá ser pago em até 180 meses (15 anos). As prestações serão calculadas pelo Sistema de Amortização Constante (SAC). Nesse caso, as parcelas iniciais ficam mais altas que por outros sistemas, como as calculadas pela Tabela Price (TP). Isso ocorre porque pelo SAC o mutuário amortiza mensalmente parcela maior da dívida. E os juros, por sua vez, vão incidindo sobre um saldo devedor cada vez menor. Se a TJLP permanecer estável ou cair, o resultado será uma prestação menor a cada mês, explica Sílvio Renato Gomes Diz, gerente de Mercado da Caixa Econômica Federal. Ele diz ainda que outro ponto interessante do SAC é que no término do prazo contratual não haverá nenhum valor residual de dívida. O gerente de Mercado da Caixa dá o exemplo de um mutuário que fosse comprar um imóvel avaliado em R$ 100 mil com financiamento de R$ 70 mil, por prazo de 180 meses. Pela TJLP de 10% ao ano neste trimestre (julho, agosto e setembro) mais os 5,5% de juro anual fixo, o valor da primeira prestação (composta por uma parcela de amortização mensal de R$ 388,89, mais a parcela de juros de R$ 904,17) seria de R$ 1.293,06. A segunda prestação (amortização de R$ 388,89 mais juros de R$ 899,14) seria menor que a primeira e recuaria para R$ 1.288,03. O valor da prestação vai caindo, porque os juros estarão incidindo sobre um resíduo menor, já descontada a parcela de amortização do mês anterior. Se no quarto trimestre do ano a TJLP permanecer em 10% ao ano ou recuar, o valor da prestação desse mutuário continuaria caindo. Nesse exemplo não foi incluído na prestação o valor do seguro de danos físicos ao imóvel e de morte e invalidez permanente porque, entre outras variáveis, a alíquota do seguro depende da idade do mutuário na data da assinatura do contrato de financiamento. Leia mais no link abaixo sobre as linhas de financiamento para imóveis novos e a expectativa da Caixa de aquecer o mercado de imóveis novos com o financiamento para usados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.