Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Caixa Seguridade vai suspender IPO por três meses

Decisão foi motivada pela turbulência nos mercados em função dos efeitos do coronavírus, apurou o 'Estado'; abertura de capital estava prevista para abril

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2020 | 20h55

BRASÍLIA - A Caixa Seguridade, braço de seguros e previdência da Caixa Econômica Federal, decidiu suspender o processo de sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), por três meses, segundo apurou o Estado, devido à turbulência nos mercados com os efeitos do coronavírus e da queda abrupta no preço do petróleo.

A previsão inicial era que o IPO fosse concluído em abril. A decisão, que ainda não é oficial, deve ser referendada em reunião do conselho de administração da Caixa marcada para o dia 2 de março.

Nesta segunda-feira, a Bolsa de Valores brasileira encerrou com queda de 12,17%, aos 86.067 pontos, menor patamar desde 26 de dezembro de 2018. Essa foi a maior queda diária, em termos percentuais, desde setembro de 1998, quando a Bolsa caiu 15,8% em período marcado pela crise financeira russa.

Segundo uma fonte a par das discussões, não faz sentido fazer a operação - estimada em R$ 15 bilhões - neste momento de turbulência global. O objetivo do banco público é avaliar a empresa entre R$ 50 bilhões e R$ 60 bilhões em sua primeira abertura de capital.

O banco trabalhava com o mês de fevereiro para protocolar o IPO da Caixa Seguridade. A ideia era fazer um período de roadshow, reunião com investidores no jargão do mercado, extenso para conseguir emplacar um bom valor para a companhia. Assim, a precificação do IPO ficaria apenas para abril.

Em fevereiro, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou, em coletiva de imprensa para comentar os resultados do banco, que o IPO do negócio de seguros estava "maduro". "As seis parcerias que já fechamos correspondem a 90% do resultado de seguros e já viabilizam a oferta inicial de ações (IPO). As outras cinco são menos relevantes", disse ele, na ocasião.

No ano passado, a Caixa Seguridade entregou lucro líquido de R$ 1,536 bilhão, 4% maior que o visto em 2018. O IPO está sendo estruturada pelo próprio banco público, ao lado de Morgan Stanley, Bank of America, Itaú BBA, Credit Suisse e Banco do Brasil.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.