Caixa volta a financiar imóveis usados

O presidente da Caixa Econômica Federal, Valdery Albuquerque, anunciou há pouco a retomada da linha de financiamento para compra de imóveis usados. A operação é parte da mesma linha que a Caixa Econômica Federal (CEF) mantém com recursos d o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) para o financiamento de imóveis para a classe média no valor total de R$ 1 bilhão.Para os imóveis usados, serão reservados R$ 150 milhões, suficientes para financiar cerca de 3.500 unidades, e os R$ 850 milhões servirão para financiar imóveis novos. As condições para a concessão de financiamento para imóveis usados serão, segundo Albuquerque, praticamente as mesmas exigidas para os imóveis novos.A taxa de juros será de 5,5% ao ano mais Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), e o comprometimento de renda poderá ser de no máximo 30%. A diferença estará no prazo do financiamento. Para imóveis usados, o limite será de 15 anos. Para os novos, Albuquerque anunciou a ampliação do atual prazo, de 14 anos, para 17 anos, o que significará uma redução de 6 % no valor de cada prestação.Albuquerque defendeu a idéia de que a retomada da linha de financiamento de imóveis usados, que estava paralisada desde 2001, tem a finalidade de permitir a alavancagem ainda maior do mercado de imóveis novos, ou na planta. Para dar um exemplo de como isso poderá ocorrer, Albuquerque citou o mercado de automóveis: para se estimular a venda de carros novos, é preciso financiamento para o carro usado, pois quem vende o usado geralmente está interessado em comprar um novo.O objetivo do governo é o de alavancar o mercado imobiliário de forma a permitir a geração de novos empregos. "Como essas linhas de financiamento têm recursos do FAT, é melhor que elas acabem estimulando a geração de empregos em vez de pagamento do seguro-desemprego", disse Valdery de Albuquerque.

Agencia Estado,

24 de julho de 2002 | 16h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.