Caixas eletrônicos continuarão fechados à noite

Os caixas eletrônicos devem permanecer fechados das 22h às 6h do dia seguinte, mesmo com o fim do racionamento de energia. Alguns podem ser fechados definitivamente, dependendo da localização. As duas propostas fazem parte de um esforço conjunto do governo com os bancos para reduzir o número de seqüestros relâmpagos. A decisão deve ser anunciada em duas semanas. O assunto foi discutido ontem entre representantes do setor financeiro e o ministro da Justiça, Aloysio Nunes Ferreira, e será analisado nos próximos dias pela diretoria da Federação Brasileira das Associações de Bancos (Febraban). O ministro pediu rapidez na adoção de medidas que possam ajudar a inibir esse tipo de crime. Desde 1998, os bancos restringem os saques realizados entre 22h e 6h ao teto de R$ 100,00. "Isso ajudou muito na redução desses crimes", disse o diretor da Febraban, Hélio Duarte. Em alguns casos, a saída deve ser o fechamento ou a transferência do caixa para local mais seguro. Segundo Duarte, dos cerca de 130 mil equipamentos de auto-serviço existentes no País, a maioria está em agências bancárias, empresas, shoppings, supermercados e aeroportos. Em vias públicas, são cerca de 500. Esses serão alvo de análise para possível fechamento definitivo. São Paulo, Rio, Pernambuco e Distrito Federal são os locais com maior incidência de seqüestros relâmpago.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.