Calais oferece mínimo de US$ 360 milhões pela Embratel

A Calais Participações acaba de divulgar comunicado informando que melhorou hoje sua proposta de US$ 550 milhões para a compra da Embratel. Pela nova proposta, o consórcio garantirá à WorldCom o recebimento de um valor mínimo de US$ 360 milhões por sua participação na Embratel - valor equivalente à oferta feita pela Telmex - no caso de a operação, ao contrário do que a Calais acredita, não ser aprovada pelas autoridades reguladoras brasileiras."Nós estamos eliminando qualquer risco de perda para a WorldCom ao garantir que, na pior das hipóteses, a empresa não receberá menos do que os US$ 360 milhões oferecidos pela Telmex. Caso a venda à Calais seja aprovada, a WorldCom receberá US$ 550 milhões", afirma no comunicado divulgado pelo representante da Calais, Otávio Azevedo.Condição de indenizaçãoDe acordo com a nova condição de indenização - caso a operação com a Calais não seja aprovada até o dia 8 de julho de 2005, por conta da incapacidade do consórcio de obter as aprovações regulatórias necessárias no Brasil -, a Calais pagará à WorldCom, como indenização, a diferença (se houver) entre US$ 360 milhões (o valor oferecido pela Telmex) e o preço obtido pela WorldCom na venda da Embratel para outro comprador."A decisão de dar essa garantia à WorldCom é resultado da confiança que temos no aconselhamento de nossos consultores da área regulatória - alguns dos maiores e mais respeitados especialistas do setor no Brasil - de que a nossa oferta será aprovada e de que as preocupações levantadas pela WorldCom carecem de mérito", afirma Azevedo no comunicado distribuído pela Calais."A cláusula de compensação está sujeita, entre outras coisas, à cooperação de boa-fé da WorldCom e da Embratel na obtenção da aprovação regulatória da transação com a Calais e, caso necessário, na venda das ações da Embratel a um outro comprador", segundo o comunicado.A Calais é controlada pela Geodex Communications S.A. e conta também com as três principais empresas de telecomunicações do Brasil - Brasil Telecom S.A., Telemar Norte Leste S.A., e SP Telecomunicações Holding Ltda., a unidade brasileira da Telefônica - como acionistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.