finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Calçadista Via Uno entra em recuperação judicial

A expectativa dos credores é que a empresa apresente um plano de reorganização financeira

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2013 | 02h09

A calçadista Via Uno entrou em recuperação judicial para tentar organizar seu alto endividamento. Um processo protocolado ontem no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) já cita a AEB Comércio de Calçados Ltda. - razão social da companhia - como "em recuperação judicial".

A expectativa dos credores - lista em que estão bancos como o BB e o Banrisul, fornecedores industriais e ex-franqueados - é que a empresa apresente um plano de reorganização financeira. Um gestor de mercado poderá ser apontado, segundo apurou o Estado.

As dificuldades da Via Uno se amontoaram nos últimos anos. Fontes de mercado dizem que o grande erro da empresa foi montar uma estratégia "chique" para concorrer com a Arezzo, que não teve o resultado esperado.

A situação, porém, também reflete as dificuldades de toda a indústria de sapatos, que disputa mercado com produtos baratos vindos da Ásia. De acordo com a Abicalçados, associação que reúne as indústrias do setor, as importações do produto subiram 18,5% de janeiro a agosto, na comparação com o mesmo período de 2012, e somaram cerca de US$ 400 milhões.

O produto asiático também afetou o resultado de marcas tradicionais como a Vulcabrás/Azaleia, que fechou fábricas e demitiu milhares de trabalhadores, e a Samello, que entrou em recuperação judicial em 2006.

Fundada há 22 anos, a Via Uno nasceu no Rio Grande do Sul com o objetivo de fornecer calçados de baixo custo para redes multimarca. Desde o início da década passada, no entanto, o fundador da companhia, o gaúcho César Minetto, decidiu que era a hora de tornar a Via Uno uma marca de moda. Para fazer jus a esse posicionamento, a companhia se desfez da operação fabril. Ela foi repassada a ex-funcionários, que se tornaram fornecedores.

A Via Uno empreendeu uma rápida expansão de suas lojas - chegou a cerca de 200 unidades -, mas o público não acompanhou a mudança de posicionamento. Em pouco tempo, o valor de venda do par de sapatos da marca dobrou, aproximando-se de uma média de R$ 200 há cerca de três anos.

Para expandir rapidamente a rede, a Via Uno recorreu a empresários com tradição no segmento calçadista no País. No entanto, esses empresários se desinteressaram pela franquia, que tinha margens muito mais apertadas do que a de seus negócios principais. Por isso, mesmo sem caixa, a Via Uno foi obrigada a reassumir boa parte das lojas.

"Todo mundo reclamou que os preços estavam subindo rápido demais e que o público não estava acompanhando", disse um ex-franqueado da Região Sul ao Estado, ao comentar a difícil situação da companhia em maio. "Apesar dos apelos, o ritmo de alta nos preços não foi reduzido. Fomos na contramão do resto do mercado."

Procurado, o fundador da empresa não foi encontrado para comentar o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.