Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Calçadistas exportam menos, mas faturamento sobe

O volume de exportações de calçados caiu 4% nos sete primeiros meses deste ano na comparação com igual período do ano passado. Segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), os embarques, que até julho de 2006 estavam em 108 milhões de pares, neste ano não passaram de 103,9 milhões de pares. No entanto, o faturamento das empresas com as vendas ao exterior cresceu 6%. A entidade destaca que a alta de US$ 10,14 para US$ 10,76 do preço médio do calçado nacional no mercado externo contribuiu para o salto de US$ 1 bilhão para US$ 1,117 bilhão no faturamento com as exportações.Apenas no mês de julho, na comparação com igual período de 2006, os embarques também sofreram queda de 4%, retraindo-se de 13 milhões para 12,6 milhões de pares exportados. Pelo lado das importações, entre janeiro e julho, as compras somam 15,1 milhões de pares ante 10,3 milhões do ano passado, o que representa um aumento de 46%. As compras de calçados estrangeiros somam US$ 110,2 milhões, alta de 51% ante os US$ 72,7 milhões dos sete primeiros meses de 2006.Do total importado pelo Brasil, 68% são oriundos da China, com um total de 12,6 milhões de pares, a um preço médio é de US$ 5,94. O aumento das importações chinesas foi de 53,6% nos sete primeiros meses deste ano na comparação com igual período do ano passado. O mercado norte-americano mantém a liderança das importações de calçados brasileiros, com um total de 32,8 milhões de pares, o equivalente a US$ 446,5 milhões em compras. Em segundo lugar, vem o Reino Unido, que este ano foi responsável pela compra de 7,5 milhões de pares. A Argentina aparece em terceiro, com 6,1 milhões de pares.

RODRIGO PETRY, Agencia Estado

23 de agosto de 2007 | 11h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.