Cálculo da TR muda para evitar perda na poupança

BC diz que, pela regra anterior, rentabilidade ficaria negativa se a TBF caísse para menos de 9% ao ano

Fabio Graner, O Estadao de S.Paulo

21 de julho de 2007 | 00h00

O Banco Central (BC) fixou ontem novos valores para um dos parâmetros utilizados no cálculo da Taxa Referencial (TR), o indicador que define o rendimento da poupança e do FGTS e a taxa de juros de contratos habitacionais. Em nota, o BC afirmou que a mudança garante que a TR não entrará no terreno negativo, o que diminuiria fortemente a rentabilidade da poupança (cuja regra de correção é TR + 0,5% ao mês) e do FGTS (TR + 3% ao mês).A mudança valerá quando o juro utilizado como referência para o cálculo da TR, a Taxa Básica Financeira (TBF), ficar abaixo de 11% ao ano. Na quarta-feira, a TBF, cujo valor oscila diariamente, estava em 11,097%. A TBF vem seguindo a tendência geral de queda dos juros da economia.Na nota, o BC assegura que, com a novidade, ''''a TR será maior do que seria, se o parâmetro fosse constante''''. A nota destaca também que a medida garante que a TR não será negativa ''''mesmo no caso em que o número de dias úteis no período de cálculo seja pequeno''''. O número de dias úteis no mês é um dos elementos que interferem no cálculo da TR.O matemático José Dutra Vieira Sobrinho afirmou que a medida de fato evita uma TR negativa, o que ocorreria se fosse mantido o parâmetro atual no cálculo. ''''Nesse caso, o rendimento da poupança cairia muito mais fortemente e, quando a TBF chegasse a 9%, a TR iria para o terreno negativo'''', disse. ''''Sem dúvida, a medida mantém a trajetória de queda na rentabilidade da TR e da poupança, mas suaviza a tendência.''''Com base nos novos parâmetros definidos pelo BC, Sobrinho calcula que a rentabilidade da poupança, para uma TBF de 11%, seria de 7,36% ao ano e passaria a 7,20% com a TBF em 10,75% ao ano. Se a TBF chegar a 9%, a rentabilidade da poupança pode ficar em 6,87% ao ano, calcula. Nessas simulações, ele levou em conta um período de 21 dias úteis para calcular a TR e o rendimento da poupança.Não é a primeira vez em que o governo mexe na fórmula da TR. Em março, o Conselho Monetário Nacional (CMN) fez com que fosse diminuída a TR e, conseqüentemente, a rentabilidade da poupança. A intenção foi manter um equilíbrio entre a rentabilidade da poupança e a dos fundos de investimento.O economista Denis Blum, da Tendências Consultoria, observa que, com a taxa básica de juros (Selic) em queda, poderia haver forte migração de investimentos dos fundos de renda fixa para a poupança, se a rentabilidade dessa modalidade não fosse reduzida. ''''A nova tabela permitirá redução na rentabilidade da poupança'''', disse. ''''Mas tem efeito limitadíssimo. Em algum momento, o governo terá de mexer mais fortemente na rentabilidade para evitar desequilíbrios.''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.