finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Calote em alta limita nova queda dos juros, diz Itaú

Lucro líquido do maior banco privado do País recua 2,9% no 1º trimestre, para R$ 3,4 bilhões, por causa da inadimplência

LEANDRO MODÉ, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2012 | 03h11

O inesperado aumento da inadimplência, que reduziu o lucro do Itaú no primeiro trimestre do ano em 2,9%, limita o espaço para o maior banco privado do País diminuir novamente as taxas de juros cobradas de pessoas físicas e empresas. Na semana passada, a instituição cortou taxas em várias modalidades de crédito.

"Gostaríamos de poder reduzir mais (os juros), mas identificamos uma alta da inadimplência", disse o diretor corporativo de controladoria do Itaú, Rogério Calderón, durante entrevista em que comentou os resultados do banco nos três primeiros meses de 2012 - lucro de R$ 3,4 bilhões, 2,9% inferior ao de igual período do ano passado.

A frase de Calderón é muitíssimo parecida com a declaração do presidente do banco, Roberto Setubal, ao Estado na última quarta-feira, dia em que o corte dos juros foi anunciado.

"Gostaríamos de poder reduzir mais as taxas, mas neste momento identificamos um cenário de inadimplência mais elevado do que o normal. É desejável diminuí-la para que tenhamos juros mais baixos", afirmou.

O índice de inadimplência na carteira de crédito do Itaú alcançou 5,1% ao final do primeiro trimestre, ante 4,9% no quarto trimestre do ano passado e 4,2% nos três primeiros meses de 2011. Esses números englobam os atrasos acima de 90 dias.

Outro indicador, que mede os atrasos entre 15 e 90 dias, subiu de 4,4% em dezembro para 4,8% em março. Significa dizer que a tendência para o índice ainda é de alta. "Esperamos que a inadimplência se estabilize apenas no fim do ano", disse Calderón.

O executivo reconheceu que o próprio banco tem tido dificuldades para entender a alta do calote nos últimos trimestres, uma vez que o ambiente macroeconômico brasileiro é marcado por taxa de desemprego historicamente baixa e renda do trabalhador em expansão. "Nos fazemos essa pergunta (sobre o porquê da inadimplência em expansão) continuadamente", disse.

Em relatório divulgado nesta semana, a Votorantim Corretora cita declarações do economista Luiz Rabi, da Serasa Experian, para quem "a inadimplência (recente) pode ser explicada pelo excesso de endividamento das famílias e o crescimento exagerado das concessões de crédito entre 2009 e 2010, particularmente nas operações de financiamento de veículos".

A estratégia do Itaú, segundo explicação de Calderón, bate com a análise de Rabi. "Passamos a ser mais cautelosos nas concessões de crédito entre o fim de 2010 e o início de 2011", disse o executivo. "O problema é que isso só se reflete na melhora da nossa carteira mais à frente", argumentou.

No período descrito por Calderón, a emissão de cartões de crédito para não correntistas caiu de uma aprovação em cada 3 solicitações para uma em cinco. O banco também segurou os financiamentos para a compra de automóveis. "Precisamos evitar o superendividamento."

Sem efeito na margem. Apesar do cenário mais difícil, o Itaú mantém a estimativa de expandir as operações de crédito entre 14% e 17% neste ano. "Acreditamos em um desempenho bem parecido para pessoas físicas e jurídicas", disse Calderón.

Assim como Bradesco e Banco do Brasil, o Itaú avalia que a redução dos juros cobrados nos financiamentos não terá efeito negativo sobre as margens de lucro. O argumento é semelhante ao dos concorrentes. "O aumento do volume de empréstimos vai compensar a redução dos juros", afirmou o diretor executivo do Itaú.

As ações do banco perderam 0,72% na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) ontem, enquanto o principal termômetro da bolsa (Ibovespa) subiu 0,70%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.