Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Camaçari atrai montadoras de veículos

Fabricante de motos escolhe polo baiano que já abriga empresas como Ford e JAC

Tiago Décimo, de O Estado de S. Paulo,

23 de setembro de 2013 | 06h00

SALVADOR - Está praticamente tudo pronto para a inauguração da fábrica da Jonny Motos no Polo Industrial de Camaçari, na região metropolitana de Salvador (BA). O início da operação da unidade, na qual será feita a montagem de motocicletas com peças importadas da China, está programado para o mês que vem, ainda sem data definida.

O investimento, de R$ 20 milhões, é modesto se comparado aos feitos nos últimos anos por gigantes da indústria automobilística no Nordeste, mas tem forte simbologia. A Jonny será a primeira fábrica de motos a operar fora da Zona Franca de Manaus (AM) e vai ser inaugurada mesmo depois de o governo federal ter anunciado aumento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos do gênero fabricados fora da área.

O motivo para a persistência do empresário Eduardo Oliveira, que até agora só importava motos prontas da China, está no mercado. Focadas nas classes C e D, as motos da Jonny têm 80% de suas 30 mil unidades anuais vendidas no Nordeste. "Teríamos problemas logísticos com uma fábrica em Manaus, já que a maior parte dos compradores está no Nordeste."

Com a fábrica, a intenção é que, já em 2014, o volume de vendas ultrapasse 40 mil unidades - e, segundo o empresário, poderá crescer, já que a capacidade inicial de produção da planta será de 150 mil motos por ano. Além de montar motocicletas, está nos planos da empresa, para os próximos anos, fazer desenvolvimento de produtos e fabricar pequenos veículos utilitários, como vans, na unidade.

Mudança. A inauguração da planta é apenas um dos exemplos do desenvolvimento de projetos do setor automobilístico no Nordeste brasileiro. Se até o início do século a região era negligenciada pelas empresas do setor, nos últimos anos virou palco da cobiça de montadoras e empresas que compõem a cadeia produtiva do segmento.

O processo foi iniciado no fim de 2001, com a inauguração da planta da Ford em Camaçari, da qual saíram os então lançamentos Fiesta e EcoSport. A unidade, de onde saem 250 mil veículos anualmente, atraiu fábricas de fornecedores - como os produtores de pneus Bridgestone Firestone e Continental, que também se instalaram no polo -, propiciando a formação intensiva de mão de obra especializada na região, e criou uma cultura automobilística no Estado. "Temos condição de abrigar todas as empresas do setor que queiram vir à Bahia", diz o secretário da Indústria, Comércio e Mineração do Estado, James Correia.

Outros interessados demoraram a surgir, mas aproveitaram o crescimento do País na última década e o forte aumento médio de renda da população da região para anunciar investimentos expressivos no Nordeste, nos últimos anos.

A própria Ford fez da planta em Camaçari a plataforma de lançamento de seu primeiro veículo global produzido no País, a nova geração do EcoSport, no fim do ano passado.

A chinesa JAC Motors mostrou interesse na expansão do mercado consumidor da região e anunciou uma fábrica no Brasil, também em Camaçari. Orçada em R$ 1 bilhão e projetada para produzir 100 mil carros compactos anualmente, a unidade, com previsão de inauguração para o fim de 2014, tem foco de atuação definido.

"Teremos veículos, em termos de preços e configuração, bem ao gosto do mercado local (baiano e nordestino)", diz o presidente da empresa no Brasil, Sérgio Habib. "É o mercado que mais cresce no País." Além de automóveis, a JAC vai produzir caminhões leves na planta.

Além dela, a Foton Motors do Brasil, também chinesa, anunciou planos de se instalar em Camaçari, para produzir vans e micro-ônibus - e também tem planos de fabricar caminhões pesados. O investimento previsto é de R$ 300 milhões, com capacidade de produção estimada em 30 mil unidades por ano.

Tudo o que sabemos sobre:
forum estadao nordeste

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.