Câmara boliviana aprova contratos com petrolíferas

A Câmara dos Deputados da Bolívia aprovou nesta quarta-feira, 14, os 44 contratos assinados pelo Executivo de Evo Morales com a Petrobras e outras 11 empresas petrolíferas, numa longa sessão na qual alguns parlamentares de oposição votaram a favor do governo.A norma, que substitui a anterior, com erros, aprovada em dezembro, será enviada ao Senado, onde a conservadora aliança Poder Democrático e Social (Podemos, oposição) é maioria.Na segunda-feira, 12, o ministro de Hidrocarbonetos, Carlos Villegas, e o presidente da estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB), Manuel Morales Olivera, explicaram os erros contidos no primeiro documento.Vários deputados de oposição, representantes do departamento de Tarija, onde estão localizados algumas das maiores jazidas de gás, apoiaram o texto.Caso a lei seja ratificada pelos senadores, entrarão em vigor os novos contratos que o governo negociou com as petrolíferas, no fim de outubro de 2006, após a nacionalização decretada em 1º de maio.O debate legislativo derivou numa crise política, criada pela discussão entre as multinacionais e o governo sobre os valores a serem pagos dentro do novo regime de nacionalização.A Petrobras, a hispano-argentina Repsol YPF e a francesa Total acham que seu pagamento correspondente a novembro passado deve ser de US$ 4 milhões, total que depositaram em fevereiro. Mas o governo exige US$ 30 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.