Câmara da França aprova plano de estímulo de 26 bi de euros

O plano ainda tem de ser aprovado pelo Senado, que deverá votar as medidas na próxima semana

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

13 de janeiro de 2009 | 16h55

A Câmara da Assembleia Nacional da França aprovou o plano de estímulo divulgado em dezembro para ajudar a afastar a crise econômica global, de um valor estimado de 26 bilhões de euros. Veja também:Desemprego, a terceira fase da crise financeira global De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  O partido de direita do presidente da França, Nicolas Sarkozy, o UMP, que tem uma confortável maioria nas duas casas do parlamento, aprovou o plano na Câmara por 316 votos a favor e 212 contra, superando a oposição dos partidos Socialista, Comunista e Verde. O plano ainda tem de ser aprovado pelo Senado, que deverá votar as medidas na próxima semana.  A contribuição da França para reviver a economia da Europa prevê a combinação de um grande investimento estatal e ajuda para indústrias consideradas vitais, como automotiva e construção, junto com medidas para dar suporte as empresas mais atingidas e estimular o consumo.  O governo francês diz que o pacote vai acrescentar 1 ponto porcentual de crescimento no país no próximo ano, mas também vai aumentar o déficit público em 15 bilhões de euros para 4% do PIB, bem acima do teto de 3% estabelecido pela União Europeia. O Partido Socialista denunciou que o plano é apenas uma reciclagem de projetos de investimentos que já estavam planejados e não faz o suficiente para as famílias em dificuldades.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraUnião Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.