Câmara dos EUA anula veto de Bush à Farm Bill

A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou hoje, por 316 a 108 votos, a anulação do veto imposto hoje pelo presidente George W. Bush à Farm Bill, lei agrícola norte-americana, de US$ 290 bilhões. A expectativa é que o Senado mantenha a decisão, apesar da forte oposição da Casa Branca. O representante e diretor de orçamento da Casa Branca, Jim Nussle, disse ter considerado a nova lei "inaceitável" e, por isso, havia pedido aos congressistas para ampliar a atual Farm Bill, em vigor desde 2002. A Farm Bill de 2008, que vai vigorar pelos próximos cinco anos, repleta de subsídios agrícolas, é muito popular entre os produtores e congressistas. Grande parte do apoio dado a ela pelo Congresso é atribuído ao aumento do orçamento aos programas de nutrição e apoio alimentar para US$ 10 bilhões. Uma coalizão de mais de mil grupos, incluindo a Federação dos Fazendeiros Americanos e União Nacional dos Fazendeiros, enviou carta ao Congresso, lida durante a sessão, pedindo a anulação do veto imposto pelo presidente Bush.O vice-secretário do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), Chuck Conner, classificou a lei como "irresponsável" e "inaceitável", em entrevista coletiva realizada hoje. Ele destacou um dos programas da lei que poderia resultar em dezenas de bilhões de subsídios pagos aos produtores se os preços agrícolas recuarem. O deputado republicano Bob Goodlatte disse que é pouco provável que isto aconteça, dizendo que esta é "uma possibilidade teórica". Uma alteração que pode dificultar a implementação da Farm Bill 2008, porém, é que a parte que se refere ao comércio foi deixada de fora da lei enviada ontem à Casa Branca. O resultado, disse o deputado republicano Collin Peterson é que o presidente Bush vetou uma Farm Bill incompleta. Peterson considerou o ato uma "pequena falha" e disse que não restou outra escolha ao Congresso, que terá que lidar com o item sobre comércio separadamente. Mas ele não explicou como isso será feito. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.