Câmara dos EUA aprova início do debate sobre reforma da saúde

Procedimento é de praxe, mas indica possível aprovação do novo pacote de Obama 

Efe,

21 de março de 2010 | 22h54

Os democratas da Câmara de Representantes dos Estados Unidos anunciaram neste domingo, 21, uma primeira vitória na votação da reforma da saúde, com 224 votos a favor e 206 contra o debate da nova lei, que já está em curso.

 

Embora a consulta seja apenas de praxe, ela aponta que os democratas contarão com os votos suficientes para aprovar neste domingo os dois projetos de lei que estruturam a histórica reforma.

 

Todo o grupo republicano, de 178 congressistas, e mais 28 democratas votarão contra a moção.

Uma vez concluída a sessão de duas horas de debate, às 20h45 local (21h45 de brasília, os parlamentares votarão dois projetos de lei distintos.

 

Um é o aprovado pelo Senado em dezembro, e que será enviado ao presidente Barack Obama para sua assinatura e conversão em lei se for aprovado pela Câmara Baixa.

 

O outro - que será votado primeiro - introduz uma série de emendas à iniciativa, para agradar os oposicionistas que queriam que suas exigências fossem atendidas para aprovarem a medida.

 

Se as emendas passarem pela Câmara, elas serão enviadas ao Senado, que as aprovarão imediatamente, segundo o acordado entre os democratas nesta semana.

 

Após a votação, que tem previsão de conclusão à meia noite local (1h de Brasília), está previsto um discurso de Obama na Sala Leste da Casa Branca, reservada para acontecimentos formais.

 

A reforma do sistema de saúde é a grande prioridade legislativa do governo Obama, que cancelou uma viagem pelo sudeste asiático para estar presente nas últimas etapas da negociação.

 

O pacote legislativo, que é alvo de negociações há mais de um ano e afetará quase toda a população americana, dará cobertura médica a cerca De 32 milhões de pessoas que não têm seguro de saúde, proibirá que as seguradoras neguem serviços aos que estão doentes e reduzirá os déficits federais em US$ 138 milhões na próxima década. 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAreforma da saúdevotação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.