Câmara dos EUA aprova plano econômico, que vai a Senado

A Câmara dos Deputados dos EstadosUnidos aprovou nesta terça-feira, com ampla maioria, o plano deestímulo econômico de 146 bilhões de dólares apoiado pelopresidente George W. Bush. O pacote inclui restituição de impostos de até 600 dólarespara indivíduos e 1.200 dólares para casais, com adicional de300 dólares por filho. A legislação também traz medidastributárias para incentivar o investimento das empresas emnovos equipamentos. A Câmara aprovou o projeto por 385 votos a 35. O projeto vai agora para o Senado, onde o chairman doComitê Financeiro, Max Baucus (democrata de Montana), defendeum plano alternativo que daria uma restituição de 500 dólarespara todas as pessoas qualificadas, 1.000 dólares para casais e300 dólares por filho. No discurso sobre o Estado da União, o presidente Bush,alertou o Senado para não mudar significativamente o plano deestímulo, que foi costurado pelo secretário do Tesouro HenryPaulson, pela presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e pelo líderrepublicano da Câmara, John Boehner. "A tentação será de acrescentar coisas ao projeto", disseBush. "Isso atrasaria ou tiraria o plano dos trilhos, e nenhumadessas opções é aceitável." Os parlamentares esperam que a restituição de impostos e osincentivos às empresas alimentem os gastos dos consumidores edas empresas e ajudem a evitar uma possível recessão antes daseleições em novembro. O plano da Câmara vai custar aproximadamente 146 bilhões dedólares neste ano e 15 bilhões de dólares no próximo, segundoas estimativas mais recentes do Comitê Misto Tributário. O Comitê Financeiro do Senado deve analisar sua própriaproposta na quarta-feira. O plano, com custo estimado de cercade 156 bilhões de dólares, também ampliaria oauxílio-desemprego e daria incentivos tributários adicionais àsempresas. (Reportagem de Donna Smith)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.