Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Câmara dos EUA aprova projeto republicano que eleva teto da dívida

Plano que eleva teto da dívida, porém, não conta com apoio dos democratas e deve ser rejeitado no Senado, onde aliados de Barack Obama são maioria.

BBC Brasil, BBC

29 de julho de 2011 | 20h44

A Câmara dos Representantes (deputados federais) dos EUA aprovou, no início da noite desta sexta-feira, um plano republicano para aumentar o teto da dívida pública do país e promover cortes orçamentários.

O plano, proposto pelo presidente da Casa, o republicano John Boehner, foi aprovado por 218 votos a 210, após enfrentar na véspera resistência por parte da ala mais conservadora dos próprios republicanos, que são maioria na Câmara.

No entanto, a aprovação desta sexta não significa o fim do impasse relacionado ao teto do endividamento americano. O projeto agora vai para o Senado, onde a maioria democrata já sinalizou intenção de rejeitar a proposta dos opositores.

A Casa Branca também indicou que pretende vetar o projeto.

Republicanos e democratas discordam quanto à extensão do teto da dívida e ao escopo dos cortes orçamentários - os opositores querem cortes em programas sociais defendidos pelos democratas, que, por sua vez, querem aumentos de impostos rejeitados pelos republicanos.

Caso o impasse não seja resolvido até 2 de agosto, os EUA não terão como cumprir com todas as suas obrigações financeiras, o que pode forçar uma moratória com prováveis impactos na economia mundial.

Emendas

O plano aprovado nesta sexta-feira prevê a elevação do teto da dívida dos EUA - atualmente em US$ 14,3 trilhões (cerca de R$ 22,2 trilhões) - em US$ 900 bilhões, o que deve permitir o pagamento de dívidas por mais alguns meses, além de cortes orçamentários estimados em US$ 917 bilhões e mudanças constitucionais para tentar equilibrar o orçamento.

As emendas constitucionais muito provavelmente serão rejeitadas pelo Senado, que defende um aumento no limite da dívida maior - US$ 2,5 trilhões - e de longo prazo, além de cortes orçamentários de US$ 2,2 trilhões.

Pouco antes da votação, Boehner disse ao Congresso que os republicanos haviam tentado "seu melhor" para tentar obter um consenso.

"Me arrisquei muito para tentar obter um acordo com o presidente", declarou Boehner, em referência às negociações fracassadas com a Casa Branca.

Por outro lado, o presidente dos EUA, Barack Obama, crítico do projeto de Boehner, havia pedido horas antes que a população pressionasse seus congressistas para dar fim ao impasse, reiterando que qualquer acordo terá de ser bipartidário.

Em discurso, Obama disse que se os EUA perderem sua nota de crédito AAA - a mais alta fornecida pelas agências de classificação de risco e que indica pouco risco de calote - não será porque o país não é capaz de pagar suas dívidas. "Será porque não tivemos um sistema político AAA que fizesse frente a nossa nota de crédito AAA", declarou. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.