Câmara não revoga subversão econômica na Argentina

O Partido Justicialista, do presidente Eduardo Duhalde, desistiu de seu projeto de mudanças na Lei de Subversão Econômica, pedido pelo FMI, ao perder no iniciou da madrugada desta sexta-feira a votação por 102 votos contra e 99 a favor na Câmara dos Deputados. Essas mudanças eram vitais para que o FMI voltasse a negociar novos créditos com Argentina. O projeto aprovado foi o proposto pelo partido da União Cívica Radical (UCR), que agora será enviado ao Senado para a sanção definitiva ou não. A votação terminou com 102 votos a favor, 84 contra e 14 abstenções. O presidente Eduardo Duhalde disse nesta semana que se está lei não fosse revogada ele renunciaria ao cargo. A lei de subversão econômica foi criada para investigar as ações de banqueiros e executivos de entidades financeiras sobre fuga de divisas. Mais de 30 banqueiros e funcionários como o ex-ministro da Economia, Domingo Cavallo, e o ex-presidente do Banco Central, Pedro Pou, já estão sob investigação. Para a oposição, não manter a lei atual seria liberar os banqueiros investigados. Já para os peronistas, a anulação da lei seria importante para dar mais confiabilidade ao país. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.