Câmara poderá votar hoje o fim do fator previdenciário

Anúncio do acordo com aposentados pode ser feito no dia 1º de Maio pelo presidente Lula, prevê deputado

Agência Brasil,

28 de abril de 2010 | 04h24

A Câmara dos Deputados poderá votar nesta quarta-feira, 28, o fim do fator previdenciário, índice que funciona como redutor para as aposentadorias. A emenda que acaba com o redutor passa integrar a lista de propostas que visam a alterar a Medida Provisória (MP) 475, que reajusta as aposentadorias para os que recebem mais de um salário mínimo.

 

A emenda tinha sido recusada pelo presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), por considerá-la estranha ao texto da MP. No entanto, um recurso do autor da proposta, deputado Fernando Coruja (PPS-SC), foi aprovado pelo plenário. Com a aprovação do recurso, ela será votada durante apreciação da Medida Provisória 475.

 

A expectativa agora é que emenda venha a ser usada nas negociações para elevar o reajuste dos aposentados que ganham acima do mínimo de 6,14 % para 7,71 %. O reajuste é defendido por alguns partidos aliados ao governo e parte da oposição. Para o presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), um dos maiores defensores dos 7,71 %, será difícil aprovar agora o fim do fator previdenciário. "A emenda vai ajudar a negociar o reajuste", prevê.

 

A votação da MP do reajuste dos aposentados foi adiada para amanhã (28). Não houve acordo para iniciar a votação hoje (27), embora tenha sido aprovado um requerimento de preferência para sua votação em relação às MPs que também trancam a pauta.

 

O deputado Paulo Pereira disse que pediu ao deputado Michel Temer que ele encaminhe a MP dos aposentados amanhã mesmo para a votação no Senado caso ela seja aprovada na Câmara. O parlamentar acredita que ela poderá ser aprovada pelos senadores na quinta-feira (29) para que no sábado (1º), Dia do Trabalho, o presidente Lula possa anunciar sua decisão sobre o reajuste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.