Cambiais: analistas prevêem oscilações no ganho

O ganho expressivo nos fundos cambiais em 2001, em torno de 25%, ainda leva muitos investidores a optarem por este tipo de aplicação neste ano. O dólar voltou a subir neste mês - alta de 2,36% até sexta-feira -, impulsionado pelo agravamento da crise argentina, o que também atrai investidores para os fundos cambiais.Os analistas mais comedidos sugerem cautela com o investimento em dólar. Outros apostam no cenário de incertezas desenhado à frente, em que o dólar poderá ficar em alta. Neste caso, eles indicam a aplicação de parcela dos recursos em opções que tiram proveito da inquietude dos investidores, como os fundos cambiais. Analistas avaliam que, pela cotação de R$ 2,366, na sexta-feira, o dólar estaria barato. Vale lembrar que o preço bateu R$ 2,80 no momento de maior incerteza com a Argentina, no ano passado. E, como o rendimento de um fundo cambial é dado em boa parte pela variação do dólar, a aposta de alguns analistas é que há bom espaço para ganho. Especialmente por causa de inquietações com a Argentina, das incertezas sobre o ritmo da economia norte-americana e da eleição presidencial no Brasil. Fatores que, isoladamente ou em conjunto, poderiam levar a uma aceleração do dólar. O gerente de Administração de Recursos do BBM, Rodrigo Noel, lembra a forte dependência de capital externo e a demora na retomada da economia norte-americana como fatores de pressão sobre o dólar. "O investimento direto e as exportações aumentariam com uma desvalorização do real." Ganho não compensa riscosPor outro lado, analistas também avaliam que esta perspectiva não é suficiente para a indicação destes fundos. Os juros ainda estão bastante elevados e o dólar precisa subir muito para que o ganho dos cambiais supere o dos fundos de renda fixa prefixados e dos fundos referenciados DI (pós-fixados, afirma Márcio Verri, estrategista-chefe do BankBoston e sócio-gerente da Boston Asset Management. "Quem tentar ganhar com variações bruscas muito mais que com os juros poderá até perder dinheiro no curto prazo." Noel não acredita que o dólar fique mais barato do que está. Mas tanto ele quanto Verri prevêem fortes oscilações dos preços este ano. "Um possível contágio da Argentina, a indefinição de rumos da economia dos EUA e as eleições no fim do ano são fatores de risco que podem levar a uma provável alta do dólar", diz Noel. Neste caso, a instabilidade pode provocar perdas para o investidor que entrar no fundo em um momento de alta do dólar e tiver que sacá-lo na baixa das cotações.O diretor do Santander Asset Management Márcio Appel comenta que fundos cambiais são indicados apenas para quem tem dívidas em dólar ou quer proteger o patrimônio. Noel, do BBM, recomenda ao investidor com perfil conservador apenas uma parte do dinheiro em fundos cambiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.