CÂMBIO-Dólar segue movimento externo e fecha em leve alta

O dólar fechou em leve alta nesta quinta-feira, acompanhando o movimento do cenário externo em sessão de baixo volume de negócios. A moeda norte-americana subiu 0,38 por cento, a 2,360 reais, depois de oscilar entre 2,344 e 2,371 reais. "O mercado está um pouco mais comportado, estamos monitorando o mercado externo, tanto bolsas como moedas", afirmou Gerson de Nobrega, gerente de tesouraria do Banco Alfa de Investimentos, lembrando que o volume de operações diminui com a chegada do fim do ano. Segundo dados preliminares da BM&F, o volume de negócios no mercado à vista era inferior a 2 bilhões de dólares, frente à média diária do mês de cerca de 3 bilhões de dólares. Em Nova York, os principais índices acionários operavam sem rumo definido. Frente a uma cesta com as principais moedas mundiais, o dólar avançava 1,15 por cento, se recuperando após perder espaço com a decisão do Federal Reserve de cortar a taxa de juro dos EUA para perto de zero. "O fluxo (de recursos) para bolsa está começando a melhorar", afirmou o gerente, explicando que o cenário doméstico está melhorando aos poucos e o dólar pode encontrar espaço para recuar frente ao real. De acordo com dados do governo, a saída líquida de recursos financeiros nas duas primeiras semanas do mês é de 2,411 bilhões de dólares. Em novembro, a saída superou 10 bilhões de dólares. O Banco Central ofertou 24.300 contratos de swap cambial tradicional para prosseguir com a rolagem de um lote que vence em 2 de janeiro, mas vendeu apenas 2.500 contratos. Junto com o resultado da operação, o BC anunciou que fará pesquisa de demanda para um eventual novo leilão na sexta-feira. O BC fez também um leilão de venda de dólares no mercado à vista. Nesta manhã, a autoridade monetária divulgou que já injetou no mercado 9,8 bilhões de dólares em leilões de venda direta da moeda norte-americana desde a piora da crise externa até o último dia 16. Ainda assim, as reservas internacionais do país atingiram na quarta-feira recorde histórico acima de 209 bilhões de dólares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.