Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Câmbio provoca prejuízo de R$ 2,09 bi no 2º tri para Eletrobrás

Resultado financeiro negativo da empresa foi influenciado pela valorização de 15,7% do real frente ao dólar

Wellington Bahnemann, da Agência Estado,

19 de agosto de 2009 | 10h48

A Eletrobrás reportou prejuízo de R$ 2,09 bilhões no segundo trimestre de 2009, revertendo o lucro de R$ 142,8 milhões reportado pela companhia em igual período de 2008. O resultado foi influenciado negativamente pela valorização de 15,7% do real frente ao dólar, o que afetou o resultado financeiro e reduziu o saldo do ativo regulatório sobre a comercialização da energia da hidrelétrica binacional Itaipu. Esse desempenho foi pior do que o esperado pelas instituições Fator Corretora, Brascan Corretora e Bank of America/Merrill Lynch, consultadas pela Agência Estado. A média das projeções dos analistas indicaram um prejuízo de R$ 549,8 milhões.

 

De acordo com a Eletrobrás, o ativo regulatório sobre a venda da energia de Itaipu diminuiu em R$ 1,042 bilhão no segundo trimestre de 2009 por dois motivos: a variação dos índices de preços americanos Consumers Good e Industrial Price e a valorização do real sobre o dólar no período, já que esse ativo é denominado em moeda americana e indexado aos dois índices citados. No mesmo período de 2008, a empresa registrou um ganho de R$ 479,6 milhões nesse item. Ao final de junho deste ano, o saldo do ativo de Itaipu totalizava US$ 1,38 bilhão (R$ 2,706 bilhões).

 

A apreciação do câmbio também influenciou negativamente o resultado financeiro da empresa. Como a Eletrobrás tem uma parcela expressiva de seus recebíveis indexados ao dólar - US$ 7,002 bilhões (R$ 13,6 bilhões) - a valorização do real provocou perdas à companhia. De acordo com o balanço, a estatal reportou um aumento de 141% na despesa financeira líquida no período, de R$ 1,049 bilhão para R$ 2,53 bilhões.

 

Adicionalmente, a holding federal também informou uma queda de 16,2% na receita operacional, de R$ 6,68 bilhões para R$ 5,6 bilhões. Essa queda está ligada à redução do ativo regulatório sobre a venda da energia elétrica de Itaipu. As despesas operacionais registraram alta de 6,1% no período, de R$ 5,26 bilhões para R$ 5,58 bilhões. Na linha "principais investimentos", as controladas da Eletrobrás aportaram R$ 2,189 bilhões no primeiro semestre de 2009, com destaque para os R$ 814,2 milhões investidos pela subsidiária Furnas no período.

Tudo o que sabemos sobre:
Eletrobrásprejuízobalanço

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.