Cameron defende que Grã-Bretanha não fique na UE a qualquer custo

O primeiro-ministro britânico David Cameron, disse nesta segunda-feira que a Grã-Bretanha não deve de dispor a permanecer na União Europeia "aconteça o que acontecer", uma vez que seu principal rival político disse que a promessa de referendo sobre adesão ao bloco estava criando incerteza a empresas.

KYLIE MACLELLAN, REUTERS

10 de novembro de 2014 | 20h32

Em uma tentativa de reprimir a dissidência entre os próprios membros da base aliada, Cameron pediu a renegociação dos laços entre Grã-Bretanha e UE antes de propor um referendo à adesão em 2017, se ele for reeleito no próximo ano.

O líder da oposição trabalhista Ed Miliband disse aos líderes empresariais que aqueles que "flertarem" com a saída da Grã-Bretanha da UE estão colocando milhões de postos de trabalho em risco, gerando incerteza.

Mas, falando no mesmo evento, Cameron disse que ignorar a existência de um debate sobre a Europa seria a "pior coisa a fazer".

"O futuro da Grã-Bretanha na Europa importa para o nosso país e não está funcionado corretamente para nós no momento, e é por isso que temos de fazer mudanças", disse Cameron.

"Simplesmente ficar aqui e dizer: 'Eu vou ficar na Europa e ficar com o que temos, aconteça o que acontecer'... não é um plano e não vai funcionar".

Miliband, na esperança de ganhar espaço com temores entre alguns grupos empresariais de que uma vitória eleitoral conservadora poderia custar-lhes o acesso irrestrito ao mercado único da UE de 500 milhões de pessoas, disse que o interesse nacional da Grã-Bretanha estava sendo prejudicado.

"Cada aceno para aqueles que querem sair do bloco envia uma mensagem a investidores potenciais que nós não somos abertos para negócios, que o nosso país é uma aposta perigosa", disse.

"Tentar usar a saída como uma ameaça realmente tem enfraquecido a nossa influência na Europa, não fortalecido... Eu não vou ser parte disso. Se eu for o primeiro-ministro nunca colocarei em risco as empresas britânicas, os empregos britânicos e a prosperidade britânica fazendo jogos políticos com a nossa adesão à União Europeia".

Nos últimos meses, Cameron tem enfrentado outros países da UE sobre a liderança, a Comissão e o orçamento da UE, e provocou advertências de outros líderes da UE com a conversa de tentar limitar a imigração de dentro dos países do grupo.

(Reportagem adicional de Ahmed Aboulenein e William Schomberg)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROGRABRETANHAEU*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.