Cameron não vê fim da austeridade britânica--jornal

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou na quinta-feira que não vê o programa de austeridade do governo acabar enquanto a Grã-Bretanha estiver enfrentando o enorme déficit orçamentário e a piora das condições econômicas.

Reuters

20 de julho de 2012 | 13h35

Cameron indicou que o programa britânico de cortes de gastos, planejado para durar cinco anos, pode ir até 2020.

"Esse é um período para todos os países, não apenas na Europa, mas acho que veremos isso na América também, onde temos que lidar com nossos déficits e precisamos ter dívidas sustentáveis. Não consigo prever nenhum momento em breve em que a pressão terá terminado", disse Cameron em entrevista ao Daily Telegraph.

Quando a coalizão Conservadora/Liberal Democrata assumiu o poder em 2010, adotou um programa de austeridade de mais impostos e menos gastos que deveria ser encerrado até 2015.

Mas o programa foi ampliado para 2017 no fim do ano passado e deve garantir ao governo uma economia de cerca de 110 bilhões de libras (171,85 bilhões de dólares) no total.

(Reportagem de Stephen Mangan)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROGRABRETABNHACAMERON*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.