Camex adia decisão sobre alta da importação de trigo

A Câmara de Comércio Exterior (Camex), reunida hoje, adiou qualquer decisão sobre a ampliação da cota de importação de trigo com tarifa zero, em função da proibição das exportações argentinas. A secretária-executiva da Camex, Lytha Spíndola, justificou não haver urgência na medida, pois até o momento pouco mais de 10% da cota de 1 milhão de toneladas autorizada em fevereiro com tarifa zero foi efetivamente importada. O total das licenças de importação emitidas até agora, segundo ela, alcança de 40% a 50% da cota. Lytha Spindola previu que a cota de 1 milhão de toneladas com tarifa zero se esgote no final de junho, lembrando que a partir de julho é esperado o ingresso no mercado da safra nacional de trigo.A secretária-executiva da Camex assinalou que, se houver necessidade, a Câmara poderá convocar reunião extraordinária para tratar das importações de trigo, quando só então poderá ser avaliado o pedido dos moinhos de redução da taxa sobre o frete de Marinha Mercante na importação de trigo. A redução foi proposta para diminuir o preço final do produto no mercado brasileiro, já que o trigo de outros países que não a Argentina, como Estados Unidos e Canadá, tem custo mais elevado. A sugestão não foi, igualmente, analisada na reunião de hoje da Camex.

DENISE CHRISPIM MARIN, Agencia Estado

06 de maio de 2008 | 19h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.