Camex discutirá medidas contra protecionismo amanhã

A Câmara de Comércio Exterior(Camex) volta a discutir amanhã o pedido de painel que oBrasil apresentará na Organização Mundial do Comércio (OMC)contra os subsídios concedidos pelos Estados Unidos aos produtosde algodão e os subsídios concedidos ao açúcar pela UniãoEuropéia. O ministro do Desenvolvimento, Indústria e ComércioExterior, Sérgio Amaral, disse hoje que todos os dados técnicosforam concluídos. Na reunião de hoje do Comitê de Gestão de ComércioExterior (Gecex) o governo aprovou a inclusão de mais 70produtos na lista de ex-tarifários, ou seja, os bens de capitale de produtos de informática sem similares nacionais entreoutros que podem ser importados com tarifas reduzidas. A decisãoreduziu a alíquota do Imposto de Importação de 14% para 4% paraprodutos, especialmente, os da área de auto-peças. Atualmente,2.400 produtos integram a lista.EmbraerA Embraer e a empresa chinesa de aviões, AvicII, devem concluir até o fim do ano os termos da joint-ventureque será formada para a montagem de aviões na China. Segundo osecretário-executivo da Camex, Robério Silva, a parceria já tevea aprovação em agosto da Comissão de Planejamento da China(SPC). Depois dos termos concluídos pelas empresas, o acordoterá que ser aprovado pelo Ministério de Desenvolvimento daChina. "O governo chinês já mostrou muito interesse e dissemos durante a viagem, da importância que o Brasil dá a esteacordo", informou o secretário. Segundo ele, os chinesesimportaram peças do Brasil para fazer a montagem das aeronaves.Numa segunda etapa, acredita ele, a joint-venture pode evoluirpara a fabricação dos aviões na China. O secretário informou também que ainda este ano osgovernos brasileiro e chinês iniciam as negociações para umacordo de livre comércio, que inicialmente deve incluir apenas osetor automotivo e exportação pelo Brasil de álcool combustível.Segundo ele, nos últimos 6 meses aumentou em 40% o consumo deautomóveis na China. "Este é um mercado a ser explorado pornós", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.