Camil compra principal beneficiadora de arroz no chile

A Tucapel tem três fábricas em Retiro, San Carlos e Santiago, que foram incorporadas à aquisição

Sandra Hahn, da Agência Estado,

18 de dezembro de 2009 | 11h31

A Camil Alimentos anunciou hoje a compra da Tucapel, principal beneficiadora de arroz do Chile, com cerca de 50% de participação no mercado local e faturamento anual de US$ 70 milhões. A Tucapel tem três fábricas em Retiro, San Carlos e Santiago, que foram incorporadas à aquisição e produz para o mercado interno, conforme dados divulgados pela Camil.

 

O Chile consome 200 mil toneladas de arroz por ano e a capacidade de processamento da Camil passará a ser de 1,8 milhão de toneladas de grãos após o negócio. A Tucapel tem capacidade para processar 120 mil t de arroz por ano. A compra também envolveu o beneficiamento de feijão.

 

As negociações tiveram início há seis meses e o valor da transação não foi informado. A aquisição está dentro da estratégia de internacionalização da Camil, com início na América do Sul, informa a empresa por meio da assessoria de imprensa.

 

Em 2007, a Camil já havia comprado a uruguaia Saman, que responde por metade do mercado local de arroz. A Saman exporta 91% da produção. A Tucapel era uma empresa do Grupo Aresti que, após a venda, continua atuando nos segmentos de nutrição animal, frutas e vinhos. Com a aquisição das duas empresas, a Camil ampliou suas exportações, que chegam a mais de 60 países. Seu faturamento está estimado em R$ 1,7 bilhão em 2010, quando deverá lançar 15 produtos no Brasil.

 

A Camil tem 18 unidades industriais no Brasil, Uruguai e Chile e quadro de 2.064 funcionários, após incorporar os 306 da Tucapel. A empresa informou que a única modificação no comando da Tucapel será a designação do brasileiro Eduardo Lagos para o cargo de diretor-geral. A companhia foi fundada em 1963 em Itaqui (RS) como Cooperativa Agrícola Mista Itaquiense (Camil). Na década de 1980, assumiu a liderança no mercado de São Paulo. Em 2007, começou a expansão no exterior, com a compra da Saman.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.