Polícia Rodoviária Federal
Polícia Rodoviária Federal

Caminhoneiro é morto com pedrada na cabeça em rodovia de Rondônia

Segundo a PRF, motorista foi atingido por manifestante quando deixava posto na BR-364, em Vilhena; suspeito foi preso

Felipe Cordeiro, Julia Lindner e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 16h36
Atualizado 30 Maio 2018 | 21h51

BRASÍLIA E SÃO PAULO - Um caminhoneiro de 70 anos foi morto com uma pedrada na cabeça ao sair de um posto de combustível na BR-364, em Vilhena, no leste de Rondônia, na tarde desta quarta-feira, 30. O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou, em entrevista coletiva em Brasília, que o principal suspeito de ter cometido o crime foi preso. Esta foi a segunda morte em estradas do País durante a paralisação dos caminhoneiros.

+++ AO VIVO: Acompanhe as últimas notícias sobre a paralisação dos caminhoneiros

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a rodovia não tinha pontos de bloqueios em apoio à paralisação dos caminhoneiros, mas havia protestos na região. A pedra foi jogada por um manifestante, atravessou o para-brisa do veículo e acertou José Batistela.

+++ Abastecimento em postos de SP deverá voltar ao normal em 48 horas, diz França

Jungmann disse que a forma como o motorista foi morto, atingido por uma pedra na cabeça enquanto dirigia o caminhão, foi “absolutamente desumana”. 

+++ Isenção de tarifa sobre eixo suspenso dos caminhões já entrou em vigor em três Estados

O Corpo de Bombeiros chegou a ser acionado, mas quando chegou ao local o caminhoneiro já estava morto. O caminhão que ele dirigia tem placa do município de Jaru, em Rondônia. A PRF e a Polícia Militar estão na BR-364. A morte será investigadas pela Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado.

 

O caso foi a segunda morte desde o início da greve dos caminhoneiros, iniciada no dia 21. Na quinta-feira, 24, um homem morreu atropelado na MG-010, em Conceição do Mato Dentro, na região central de Minas Gerais, em um ponto de manifestação de grevistas.

Atos de violência e prisões

Mais cedo, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen, anunciou que "novas prisões" estão sendo executadas por causa de atos de violência por "grupos estranhos" à mobilização dos caminhoneiros, em greve há dez dias. O ministro não especificou, no entanto, quantas novas pessoas foram presas, nem onde.

Embora não tenha detalhado as novas detenções, o ministro informou que foi preso o homem visto em vídeo divulgado pela imprensa agredindo motorista de cegonheira que vestia camisa vermelha e tentava passar por bloqueio.

O ministro se referia a um episódio de violência registrado na terça-feira na BR-153, em Miranorte, na região central do Tocantins. Nas imagens, é possível ver que o caminhoneiro teve a roupa rasgada e recebeu socos. Nesta terça-feira, 29, outras sete pessoas já haviam sido presas em atos semelhantes, no Maranhão.

Régis Bittecourt

Também na tarde desta quarta, um caminhoneiro que deixou o ponto de manifestação na Rodovia Régis Bittencourt em Embu das Artes, na Grande São Paulo, perdeu o controle do veículo após uma pedra ser atirada no para-brisa do caminhão

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o caminhão passava por Itapecerica da Serra, na região metropolitana de São Paulo, quando dois suspeitos em uma motocicleta atiraram pedras contra o veículo. O caminhão pertence à empresa catarinense Kobrasol, que confirmou o acidente e informou que, após as pedradas, o motorista precisou tirar o veículo da pista para não atingir outros carros que trafegavam na rodovia. Ao sair da estrada, o caminhão tombou.

Paralisação dos caminhoneiros AO VIVO

Acompanhe aqui outras notícias sobre a greve dos caminhoneiros minuto a minuto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.