Foto: Vanessa Rodrigues/Tribuna de Santos
Foto: Vanessa Rodrigues/Tribuna de Santos

Caminhoneiros aceitam acordo do governo de SP e encerram greve no Porto de Santos

Polícia Militar, tropas do Exército e da Marinha continuam no local para evitar novas mobilizações

Rodolfo Mondoni, O Estado de S.Paulo

01 Junho 2018 | 06h30

Após assembleia entre representantes de três associações e o governador de São Paulo Márcio França, os 1.600 caminhoneiros autônomos que ainda permaneciam no Porto de Santos decidiram encerrar a greve na madrugada de sexta-feira, 1.º. A Polícia Militar, tropas do Exército e da Marinha, que estão no local desde quarta-feira para liberar os acessos ao porto, devem permanecer para garantir a segurança e evitar novas mobilizações. 

+Temer: ‘Graças a Deus estamos encerrando essa greve dos caminhoneiros’

“Com a volta ao trabalho no Porto de Santos o país retorna à normalidade. Os caminhoneiros e o governo do Estado de São Paulo fizeram do diálogo o caminho para a solução de um problema que afetou o Brasil. Isso é a prova de que a boa política representa o melhor caminho para enfrentar as crises”, ressaltou Márcio França.

+Ministro diz que posto que não repassar desconto de R$ 0,46 pode pagar multa de até R$ 9,4 milhões

Um dos pontos reivindicados pelos manifestantes, o fim do pedágio do eixo suspenso, está vigorando desde quinta-feira. O governo estadual não precisará repor as perdas às concessionárias. No lugar prorrogará a validade dos contratos de concessão.

Mais conteúdo sobre:
Porto de Santos greve caminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.