Nelson Andrade
Nelson Andrade

Caminhoneiros alertaram para risco de acordo não chegar a estrada

Liderança explicam que setor é pulverizado e, como cada motorista funciona como uma empresa, decisões nem sempre são seguidas pelos membros

Fernando Nakagawa e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 10h55

BRASÍLIA - A manutenção dos protestos dos caminhoneiros nas estradas não surpreende lideranças do movimento que paralisa o transporte rodoviário no Brasil. As entidades que coordenam a paralisação explicam que o setor é muito pulverizado e, como cada motorista funciona como uma empresa, decisões das lideranças não necessariamente são seguidas pelos membros.

WHATSAPP: como a paralisação dos caminhoneiros está afetando a sua vida?

Essa pulverização do setor e a atuação independente de cada membro sempre foi destacada nas negociações pelas duas principais entidades que têm protagonizado o noticiário: a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), que firmou o acordo com o governo, e a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que não concordou com as negociações e deixou a reunião no Palácio do Planalto.

"Assumimos o compromisso e vamos repassar [o acordo] ainda hoje [quinta-feira], na íntegra, para todos. Mas é a categoria que vai analisar e é o entendimento deles que vai dizer se isso foi suficiente ou não", disse ontem à noite o presidente da CNTA, Diumar Bueno. 

A avaliação é bem semelhante à feita pelo presidente da Abcam, José da Fonseca Lopes, que disse ontem que a posição da entidade ontem era pela manutenção da paralisação, mas que ele como presidente não poderia garantir a concordância de todos os associados.

O tom pessimista sobre a concordância dos motoristas já havia sido indicado ao Estadão/Broadcast. Os presidentes das Federações de Transportadores Autônomos de São Paulo e de Minas Gerais, Norival de Almeida e Silva e Gilmar Carvalho, respectivamente, não demonstraram confiança de que o acordo resultaria em liberação das estradas e retomada das entregas. "Saio preocupado. Acho que podem não aceitar", disse Carvalho. Segundo ele, é "a categoria quem decide". O representante se comprometeu a mostrar os avanços obtidos na negociação, mas sem dar garantias do fim do movimento.

Almeida e Silva, que também é vice-presidente da CNTA, disse temer pela continuidade dos protestos. "Acho que eles [os caminhoneiros] vão continuar o movimento porque são muitas pessoas, com pensamentos muito diferentes. Mas isso [o acordo] é o que o governo disse que tem para oferecer." Se o acordo for rejeitado, Almeida e Silva disse não "saber onde vai parar isso". "Todo movimento tem de começar e uma hora tem de negociar e terminar, porque protesto não é negócio de resultado financeiro, é reivindicação", disse. 

 

Mais conteúdo sobre:
greveCaminhãoóleo diesel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.