Caminhoneiros ameaçam entrar em greve no dia 25

Exatamente cinco anos depois de os caminhoneiros brasileiros terem parado o País em uma greve nacional, que prejudicou o suprimento de alimentos e combustíveis, além de ter ameaçado a economia, o setor voltou a pressionar fortemente o governo. Panfletos já estão sendo distribuídos nas estradas federais conclamando para uma paralisação de 72 horas no próximo dia 25. Desde 24 de junho, motoristas e empresários se uniram na Frente Nacional do Transporte Rodoviário, e, mais fortalecido, o movimento elaborou uma lista de 11 reivindicações. "Não dá mais para aguardar soluções para nossos problemas principais", avisa o presidente da União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam), José Araújo Silva, o China, um dos representantes da Frente.As principais reivindicações são rodovias recuperadas, melhores financiamentos e condições de trabalho. Os caminhoneiros pedem também a aplicação da Contribuição sobre Intervenção do Domínio Econômico (Cide) para a recuperação das estradas. Outro pedido é uma nova linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para renovação da frota de caminhões.Temendo um "paradão" como o de julho de 1999, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva se antecipou ao problema e já está negociando. O primeiro gesto público será um encontro entre o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, e representantes da Frente, marcado para esta terça-feira, no seu gabinete. A estratégia é mostrar que o governo do PT apoia as reivindicações, vai negociar e quer achar soluções.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.