Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Caminhoneiros aprovam decisão de Bolsonaro sobre isenção no diesel, mas querem solução definitiva

Impostos federais sobre o combustível serão zerados a partir de 1º de março por dois meses

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2021 | 14h39

A decisão do presidente Jair Bolsonaro de zerar a cobrança de PIS, Cofins e Cide sobre o preço do óleo diesel foi bem recebida pelos caminhoneiros. Eles entendem, no entanto, que se trata de uma medida paliativa enquanto não se encontra uma solução definitiva. Em live feita na quinta-feira, 18, o presidente afirmou que a partir de 1º de março não haverá cobrança de nenhum imposto federal sobre o diesel por dois meses.

Para Aldacir Cadore, uma das lideranças do Comando Nacional dos Transportes (CNT), a forma de reajuste da Petrobrás é muito prejudicial aos caminhoneiros. “Imagina um motorista que sai do Rio Grande do Sul para o Nordeste, numa viagem que pode durar 25 dias. Ele sai de casa com o litro do combustível num preço e volta com outro bem diferente”, diz ele, explicando sobre a imprevisibilidade no orçamento. 

Segundo ele, até 2018 os autônomos representavam cerca de 6% do consumo de diesel. Hoje esse porcentual está em torno de 4%. Na avaliação de Cadore, desde a greve que paralisou o País, em 2018, empresas de diferentes setores adotaram medidas para aumentar suas frotas, reduzindo o trabalho dos caminhoneiros autônomos. 

O presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Wallace Landim, o Chorão, é mais pessimista em relação à decisão do presidente de zerar, momentaneamente, a cobrança de impostos federais para resolver os problemas do setor. “Se em dois anos o governo não conseguiu encontrar uma solução para reduzir o massacre que o setor está sofrendo, em dois meses será muito difícil.” 

Segundo ele, há uma serie de reivindicações feitas pelos caminhoneiros nos últimos anos ainda pendentes de solução em Brasília, como as ações de inconstitucionalidade da tabela do frente, que está no Supremo Tribunal Federal (STF).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.