Nilton Fuuda/Estadão
Nilton Fuuda/Estadão

Caminhoneiros dizem que Guedes é 'culpado por caos', prometem greve e veem governo 'desesperado'

Abrava criticou medidas anunciadas pelo governo federal para tentar conter alta dos combustíveis

André Borges, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2022 | 12h25

BRASÍLIA - A Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava) fez novas críticas às medidas anunciadas pelo governo federal para tentar conter a alta dos combustíveis. A avaliação dos profissionais é de que a aprovação, pelo Senado, da proposta federal que fixa em 17% o ICMS cobrado pelos Estados é uma medida temporária e que pode não ter qualquer efeito sobre o preço praticado na bomba.

Segundo a Abrava, o ministro da Economia, Paulo Guedes, seria o principal “responsável” pela situação no preço dos combustíveis e o governo falhou ao não adotar medidas com efeito de longo prazo.

“O governo se acomodou e por ironia do destino o ministro apelidado de posto Ipiranga, que deveria resolver esse problema, é o grande culpado deste caos, e hoje chegamos neste ponto crítico, sendo que ainda temos sérios riscos de falta de combustível”, afirma a Abrava. “Muitas especialistas afirmam que esse problema tem soluções viáveis, mas está claro que essa não é a prioridade, o que vemos é um governo desesperado.”

A reportagem questionou o Ministério da Economia sobre a afirmação. Não houve resposta até a publicação deste texto. A Abrava voltou a falar em greve e a criticar a política de preços da Petrobras, que se baseia na variação internacional do preço do petróleo para estipular sua tabela no Brasil. A avaliação é de que o governo continua a jogar o problema para frente, preocupado apenas com as eleições de outubro.

“De uma forma ou de outra, mantendo-se essa política cruel de preços da Petrobras, sem a garantia que o caminhoneiro autônomo tenha suas despesas de viagem integralmente ressarcidas, a categoria vai parar. Se não for por greve, será pelo fato de se pagar para trabalhar. A greve é o mais provável e não demora muito”, afirmou.

Caminhoneiro autônomo

Segundo a Abrava, que é presidida por Wallace Landim, conhecido como Chorão Caminhoneiro, a situação é ainda mais grave quando envolve os caminhoneiros autônomos, aqueles que atuam como prestadores de serviço e não são funcionários de uma empresa específica. Isso ocorre porque eles sequer conseguem repassar os custos de combustíveis para o frete, já que este tem preço definidos previamente por outros agentes da cadeia de transporte.

“A verdade é que o caminhoneiro autônomo, ou seja, uma simples pessoa física, por não ter a chance de participar das negociações dos fretes entre empresas de transporte e embarcadores, e de não participar das negociações entre compradores e vendedores de mercadorias, acaba ficando refém dessas negociações, além de não ter sozinho força suficiente para interferir nesses contratos, quase todos, de caráter sigiloso."

Na semana passada, a Petrobras sinalizou que o custo dos combustíveis – principalmente o do diesel – segue uma tendência de alta e assim continuará. Em uma nota enviada à imprensa com “esclarecimento da Petrobras sobre a prática de preços de mercado”, a petroleira afirma que “não há fundamentos que indiquem a melhora do balanço global e o recuo estrutural das cotações internacionais de referência para o óleo diesel”.

Na avaliação da Petrobras, o atual cenário mundial é de escassez e, como o Brasil é deficitário em produção de óleo diesel, tendo importado quase 30% da demanda total em 2021, o resultado é este: “poderá haver maior impacto nos preços e no suprimento”.

Os caminhoneiros entenderam o recado. “Sabemos que a Petrobras deve anunciar novos aumentos para a gasolina e para o diesel, respectivamente, 17% e 16%, em breve. Ora, não precisa ser um economista para chegar à conclusão que 2 ou 3 aumentos consumirão toda redução que se pretende fazer por meio dos tributos, correndo o risco de os litros desses combustíveis ficarem ainda mais caros do que é hoje, em pouco tempo, mesmo considerando as cargas tributárias atuais”, afirma a Abrava.

A associação afirmou ainda que “qualquer percentual, de qualquer tributo, que se anuncie retirar do preço de combustível será ineficaz para sua efetiva redução”.

“O que se tem é uma diminuição temporária que, talvez, seja suficiente para reduzir o valor por dois ou três meses, no máximo, sendo que isso, ainda dependerá da frequência de aumentos promovidos pela Petrobras, que está atrelado ao mercado internacional. Pesa ainda o fato de que não se pode precisar se, na ponta da cadeia, ou seja, nos postos de combustíveis, essa redução será realizada na sua plenitude.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.