Hélvio Romero/ Estadão
Hélvio Romero/ Estadão

Caminhoneiros já voltam a organizar fretes nos grupos de WhatsApp

Nos grupos de Whatsapp de caminhoneiros, o tom dos discursos nesta quarta-feira, 30, era um misto de decepção e inconformismo

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2018 | 21h22

No 10º dia de paralisação, os grupos de WhatsApp dos caminhoneiros já tinham até anúncio de frete com cargas no Brasil, Argentina e Chile. Profissionais da área buscavam motoristas interessados em fazer as viagens com embarque imediato, mas eram logo repreendidos por outros participantes do aplicativo. “Amigo, estão todos em greve, quem vai carregar?”, questionava. A resposta tentava remediar a situação: “É para depois da greve”.

+ Caminhoneiro é morto com pedrada na cabeça em rodovia de Rondônia

Com alguns trechos desbloqueados pelo País, o sentimento de muitos motoristas era de que estão “morrendo na praia”, como se não tivessem conquistado nada. Até áudios com a informação de que o presidente Michel Temer havia vetado a queda de R$ 0,46 do diesel circulou pela aplicativo, o que gerou uma onda de indignação.

O tom dos discursos nesta quarta-feira, 30, era um misto de decepção e inconformismo. Em vídeos gravados em vários locais do País, lideranças ainda tentavam manter o ânimo dos caminhoneiros para que continuassem parados, pelo menos, até amanhã. Vários deles faziam boletins para mostrar como estava cada ponto de paralisação pelo País.

+ No WhatsApp, a força de líderes individuais entre os caminhoneiros

“Muitos estão desanimados, sem roupa limpa, sem dinheiro e cansado. Mas a determinação é ficar até sexta-feira na estrada. Ou se ganha ou se perde a guerra, não tem meio termo”, discursava um caminhoneiro, em áudio enviado nos grupos. A maioria deles prefere gravar a escrever textos. Desde a semana passada, o Estado participa de três grupos de caminhoneiros, sendo cada um deles com cerca de 300 participantes cada.

+ Forças Armadas estimam precisar de R$ 80 mi extras para cumprir 'missões' dadas pelo governo

Durante a greve, os discursos mudaram várias vezes. Até o acordo anunciado pelo presidente Michel Temer, no domingo, a reivindicação girava em torno do preço do diesel e do pedágios. Mas, depois do pacote, um espírito nacionalista tomou conta dos grupos da categoria, que viam na intervenção militar a solução para todos os problemas. 

Até segunda-feira, havia caminhoneiros que acreditavam na tese de que passados sete dias e seis horas da greve o Exército poderia assumir o poder. O prazo acabou e não houve intervenção. Isso fez com que a lua de mel dos caminhoneiros com o Exercito acabasse. “Eles também são uns vendidos, estão com o governo”, afirmavam nas mensagens.

+ Impacto da greve no PIB deste ano será de R$ 15 bi, calcula FGV

Nesta quarta, com os grupos mais esvaziados, a maioria demonstrava irritação pela falta de apoio da população, apesar da notícia de que 87% dos brasileiros apoiam a greve. “São favoráveis à paralisação, mas correm para fazer filas nos postos e encher o tanque do carro”, reclamava um deles. Outro dizia: “Vou embora para minha casa porque esse povo não merece meu esforço”. 

Houve até alguns participantes mais radicais pedindo ajuda de criminosos para quebrar e botar fogo nos carros de quem estava na fila dos postos para abastecer. Para os caminhoneiros, o povo deveria ajudá-los fazendo uma greve geral. Uma convocação para manifestação pelas ruas do País estava sendo feita pelos grupos, que determinavam: “Repassem essa mensagem para o máximo de grupos que vocês tiverem”.

Mas, no geral, as mensagem eram de apelo para que os brasileiros fossem para as ruas protestar. O objetivo: “Derrubar o governo por um Brasil melhor”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.