André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Caminhoneiros podem retomar nesta 6ª feira bloqueios nas estradas

Trabalhadores conversam pelo WhatsApp, tentando mobilizar grupos no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina

VICTOR MARTINS, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2015 | 02h04

BRASÍLIA - Caminhoneiros que estavam em greve até a semana passada podem voltar com os bloqueios nas estradas amanhã, a partir da meia-noite. Os trabalhadores estariam conversando por WhatsApp e tentando mobilizar grupos na Região Sul do País, sobretudo no interior de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. A categoria parece ter se dividido: uma parte acredita que o obtido até o momento é satisfatório; a outra quer insistir no pedido de redução do preço do óleo diesel e quer ainda crédito subsidiado para custeio.

Segundo o deputado Osmar Terra (PMDB-RS), ele e outros parlamentares estiveram em reuniões com integrantes do governo. Um grupo tenta se encontrar com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para apresentar a demanda de redução de PIS/Cofins no óleo diesel.

"Tudo está sendo feito pelo WhatsApp e os grupos envolvidos seguem a rota da soja. Se não tiver uma sinalização até amanhã (hoje), pelo menos com anúncio de crédito subsidiado para custeio, eles podem parar", afirmou o deputado. "O grosso dos manifestantes são líderes locais, não existe um líder único. Eles inclusive não querem juntar as bandeiras deles às dos que pedem o impeachment da presidente", explicou.

Dia 13, sexta-feira, que teria sido escolhido pelos caminhoneiros, no entanto, é o mesmo em que o PT e os movimentos sociais marcaram uma grande manifestação em apoio à presidente Dilma Rousseff. "Nós criamos uma frente parlamentar de apoio aos caminhoneiros e tem a frente de transporte e logística. Estamos juntando uns 200 deputados para exigir uma resposta do governo antes do dia 26", disse Terra. O dia 26 é a data marcada para o próximo encontro do governo com os caminhoneiros e foi o prazo acertado para que os grupos de trabalho criados apresentem propostas. No entanto, o movimento está querendo uma resposta antes desse prazo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.