Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Campanha vai pedir economia de energia

A campanha 'Uso Consciente de Energia - Use o bom senso' custou R$ 12 milhões e ficará no ar até o dia 31 de março

TÂNIA MONTEIRO, ANNE WARTH, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2015 | 02h04

BRASÍLIA - A partir de hoje, começa a ser veiculada em televisão, rádio e internet campanha para incentivar a população a economizar energia. A campanha "Uso Consciente de Energia - Use o bom senso", feita pela Secretaria de Comunicação da Presidência, custou R$ 12 milhões e ficará no ar até o dia 31 de março.

A campanha vem em um momento que o governo enfrenta severas críticas por ter aumentado o preço da energia em todo o País em mais de 30% e quando há ameaças de apagão em várias regiões. Mas, em nenhum momento, as palavras crise e racionamento serão usadas nos spots de TV, rádio ou na internet.

As peças de publicitárias terão dicas para a população de como economizar energia, recomendando como as pessoas podem usar seus aparelhos de ar-condicionado, chuveiro, ferro elétrico e geladeira.

Com a peça publicitária, o governo diz querer economizar no valor da conta de luz da população e utilizar a eletricidade de forma eficiente e racional.

Em nota, a Secom informou que "a campanha mostra os benefícios individuais e coletivos do consumo consciente" e "ilustra, com exemplos simples, como é possível gerenciar melhor o uso da energia elétrica no dia a dia das famílias".

Na semana passada, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, disse que a campanha aprovada pela presidente Dilma Rousseff seguirá a mesma linha da que está no ar, realizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), que está voltada para o consumidor residencial e vai sugerir ações para evitar o desperdício de energia.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Pauloenergiacampanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.