coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Campofrio decide abandonar negócio na Argentina

A companhia espanhola de alimentos Campofrio Alimentación SA anunciou que vai deixar de atuar na Argentina e concentrar as suas operações na Europa. Trata-se da primeira empresa espanhola a deixar o país depois de instaurada a crise econômico-financeira, no final do ano passado. A empresa justificou a medida em função da preocupação com a sua estrutura financeira, em especial o seu plano de negócios e as dívidas acumuladas.No entanto, analistas estimam que a mudança de foco deverá melhorar as perspectivas da empresa no médio prazo, especialmente se uma atenção especial for dedicada à Europa do Leste. "É mais fácil criar uma marca na Rússia, que tem um mercado em expansão, do que em um lugar como os Estados Unidos, que já possui diversas marcas famosas consolidadas", disse um analista do Banesto Bolsa.DesinvestimentosA Campofrio está buscando um comprador para a participação de 40% que tem na empresa argentina Campo Austral, que ela controla junto com a parceira local Blasfo. No ano passado, a Austral registrou prejuízo de 14,9 milhões de euros, montante três vezes superior ao prejuízo registrado no ano 2000. A Campofrio tenciona, também, se desafazer do seu negócio na República Dominicana, onde detém 49% de participação na companhia de carnes Agrocarne SA."Estes mercados, que antes eram atrativos e considerados estratégicos, já não satisfazem as necessidades da companhia", justificou um porta-voz da empresa, por e-mail, afirmando que, no momento, a empresa não fará declarações à imprensa sobre questão.Concorrência brasileiraAlguns analistas disseram que a decisão da Campofrio de se desfazer das operações no continente americano foi acertada, principalmente em relação ao negócio na Argentina. Em relatório publicado recentemente, o Banesto Bolsa afirmou que "as condições para os produtores locais na Argentina, em muitos casos, já se mostram insustentáveis, tanto em função da economia do país como em virtude da forte concorrência por parte dos produtores do Brasil".EuropaSegundo o porta-voz da Campofrio, a intenção da companhia é consolidar a sua posição na Europa, otimizando os recursos já existentes naquela região. Eles descartou, contudo, aquisições no curto prazo.A Campofrio tem presença na Polônia, Romênia, Rússia, França e Portugal. As suas operações fora da península Ibérica responderam por 23% das vendas registradas em 2001, sendo que somente os negócios nos países do Leste europeu foram responsáveis por 17,3% do total das vendas.Em seu mercado primário, a Espanha, onde o setor é considerado saturado, a Campofrio detém uma participação de 20%.Leia o especial

Agencia Estado,

31 de maio de 2002 | 12h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.