Canadá pode se unir ao Brasil nas discussões da Alca

Representantes da subcomissãoparlamentar canadense de assuntos internacionais, disputascomerciais e investimentos defenderam hoje a necessidade deuma aproximação entre o Canadá e o Brasil para enfrentarem osinteresses dos Estados Unidos nas discussões sobre a criação daÁrea de Livre Comércio das Américas (Alca). "O Brasil, o Canadáe os demais países da América Latina, juntos, terão mais chancesde mudar o rumo das discussões", disse o chefe da subcomissão,Mac Harb. Os parlamentares canadenses aproveitaram a visita aoBrasil para mais uma vez atacarem as medidas protecionistas quevem sendo adotadas pelos Estados Unidos. Patrick O´Brien, doPartido Liberal, criticou a posição do governo norte-americanode não respeitar as regras internacionais de comércio."Negócios são baseados em regras mas, algumas vezes, os EstadosUnidos querem adaptá-las à sua maneira", disse. "A agenda dos Estados Unidos está obedecendo interessesprivados e comerciais e não os interesses públicos", frisou.Para o parlamentar, uma maior aproximação entre o Canadá e oBrasil poderá ser a chave para evitar que os Estados Unidosditem as regras de comércio do continente. "Como um grupo será muito mais fácil mudar as medidasprotecionistas existentes", afirmou o parlamentar canadense,numa clara citação às ações que vem sendo adotadas pelo governodos Estados Unidos para defender o interesse de seusempresários. Junto com Harb, outros cinco parlamentarescanadenses ficaram no Brasil por três dias para discutir comempresários, representantes do governo, do Congresso esindicatos quais são as perspectivas do País em relação àcriação da Alca. Harb disse compreender as preocupações brasileirasquando o assunto é a formação da área de livre comércio nocontinente. Ele frisou, entretanto, que paralelamente àsdiscussões sobre a Alca é possível a formalização de outrosacordos comerciais entre os países do continente americano. "Sea sociedade brasileira não está interessada na Alca, ficamosfelizes em ver que há disposição para acordos bilaterais",disse. O parlamentar citou que o Canadá já fechou acordoscomerciais com o Chile e a Costa Rica e caminha para aelaboração de outro com o Peru. A missão de parlamentares canadenses evitou polemizarsobre a disputa entre as empresas Bombardier e a Embraer. Oembaixador Jean-Pierre Juneau, disse que não existe uma"guerra" entre as duas empresas e que acredita que, num futuropróximo, os governos brasileiro e canadense chegarão a umasolução "satisfatória para ambos os lados" do contencioso.

Agencia Estado,

08 de maio de 2002 | 19h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.