coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Canadá quer ajuda do Brasil contra EUA na Alca

Representantes da subcomissão parlamentar canadense de assuntos internacionais, disputas comerciais e investimentos defenderam a necessidade de uma aproximação entre o Canadá e o Brasil para enfrentarem os interesses dos Estados Unidos nas discussões sobre a criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca). "O Brasil, o Canadá e os demais países da América Latina, juntos, terão mais chances de mudar o rumo das discussões", disse o chefe da subcomissão, Mac Harb. "Como um grupo será muito mais fácil mudar as medidas protecionistas existentes", disse o parlamentar canadense, numa clara citação às ações que vêm sendo adotadas pelo governo dos Estados Unidos para defender o interesse de seus empresários.Junto com Harb, outros cinco parlamentares canadenses ficaram no Brasil por três dias para discutir com empresários, representantes do governo, do Congresso e sindicatos, quais são as perspectivas do País em relação à criação da Alca. Harb disse compreender as preocupações brasileiras quando o assunto é a formação da área de livre comércio no continente. Ele frisou, entretanto, que paralelamente as discussões sobre a Alca, é possível a formalização de outros acordos comerciais entre os países do continente americano. "Se a sociedade brasileira não está interessada na Alca, ficamos felizes em ver que há disposição para acordos bilaterais", disse. O parlamentar citou que o Canadá já fechou acordos comerciais com o Chile, a Costa Rica, e caminha para a elaboração de um outro com o Peru. Os parlamentares canadenses aproveitaram a visita ao Brasil para mais uma vez atacarem as medidas protecionistas que vem sendo adotadas pelos Estados Unidos. Patrick O, do Partido Liberal, criticou a posição do governo norte-americano de não respeitar as regras internacionais de comércio. "Negócios são baseados em regras mas, algumas vezes, os Estados Unidos querem adaptá-las à sua maneira", disse. "A agenda dos Estados Unidos está obedecendo interesses privados e comerciais e não os interesses públicos", frisou. Disputa Bombardier x EmbraerPara o parlamentar, uma maior aproximação entre o Canadá e o Brasil - que ele considera o país mais importante da América do Sul - poderá ser a chave para evitar que os Estados Unidos ditem as regras de comércio do continente. A missão de parlamentares canadenses evitou polemizar sobre a disputa entre as empresas Bombardier e a Embraer. O embaixador Jean-Pierre Juneau, disse que não existe uma "guerra" entre as duas empresas e que acredita que, num futuro próximo, os governos brasileiro e canadense chegarão a uma solução "satisfatória para ambos os lados" do contencioso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.