Canadense Bombardier demitirá 1.360 no mundo

Demissões vão ocorrer na divisão aeronáutica, devido à queda das vendas no setor de aviões executivos

Efe,

06 de fevereiro de 2009 | 03h49

A fabricante de material de transportes Bombardier disse nesta sexta-feira, 6, que eliminará 1.360 postos de trabalho de sua divisão aeronáutica, devido à queda das vendas no setor de aviões executivos. Veja tambémDe olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  A empresa canadense, principal fabricante mundial de material ferroviário e a terceira do mundo em produtos aeronáuticos, disse que o número representa 4,5% da força de trabalho da Bombardier Aerospace. Os cortes significarão uma redução da produção dos modelos Learjet e Challenger, que são feitos em Montreal (Canadá), Wichita (EUA) e Belfast (Irlanda do Norte). Guy C. Hachey, presidente e diretor de operações da Bombardier Aerospace, disse em um comunicado que "o setor está experimentando fortes turbulências". Hachey tentou tranquilizar os investidores. O executivo afirmou que "os fundamentos da Bombardier Aerospace são sólidos", mas que a empresa espera "encarar mais dificuldades este ano".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.