Canal do Panamá chega ao 8 anos como motor da economia

Região se consolidou com o dobro de crescimento econômico latino-americano

Efe

31 de dezembro de 2007 | 02h54

O Canal do Panamá comemora nesta segunda oito anos de sua administração por parte do Governo local, cedida pelos Estados Unidos, como o principal impulsor da melhora na situação econômica do país. Em 2007, o Panamá se consolidou como líder do crescimento econômico latino-americano com uma alta de quase 10%, o dobro da média regional. A informação é da Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal), que prevê uma alta de 8,5% para o ano que vem. Nestes oito anos, o Canal trouxe US$ 3,224 bilhões aos cofres do Estado panamenho - quantia muito superior ao 1,9 bilhão pago pelos americanos durante 85 anos de uso. Em 31 de dezembro de 1999, debaixo de muita chuva, a então presidente Mireya Moscoso recebeu o controle absoluto da via, construída entre 1904 e 1914, em meio às muitas dúvidas sobre a capacidade de os panamenhos conseguirem administrá-lo. Oito anos depois, o Canal do Panamá impulsiona à economia panamenha, pois representa cerca de 11% do Produto Interno Bruto (PIB) e emprega 10.000 pessoas, altamente qualificadas e com bons salários. Dany Kusniecky, ministro de Assuntos do Canal, se mostrou muito satisfeito com o desempenho em 2007, principalmente porque já está em andamento a construção de um terceiro setor com compartimentos de embarque, cujo orçamento é de US$ 5,250 bilhões. A obra deve duplicar a capacidade anual de carga, atualmente de 300 milhões de toneladas. Ao fim do ano fiscal de 2007, em 30 de setembro, o Canal deu ao Governo mais de US$ 833 milhões. O número é recorde e se equipara às receitas geradas pelo turismo, principal indústria do país. À época, a construção do Canal custou cerca de US$ 375 milhões aos EUA, incluindo os US$ 10 milhões pagados ao Panamá e outros US$ 40 milhões entregues à Companhia Francesa pelos direitos. As obras de fortificação do Canal para acolher as tropas americanas, que ocuparam o território panamenho também até 31 de dezembro de 1999, custaram US$ 12 milhões. O Canal do Panamá inicia 2008 com um intenso tráfego de quase um milhão de embarcações.

Tudo o que sabemos sobre:
economia, Panamá, America Latina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.