coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Canhedo diz que denúncias não têm fundamento

O presidente da Vasp, Wagner Canhedo, disse hoje que as denúncias contra ele e seu filho Ulisses na Bolívia de desviar US$ 100 milhões da Lloyd Aéreo Boliviano (LAB) no período em que a Vasp controlou a empresa são ?absurdas e irresponsáveis, razão pela qual não se dará ao trabalho de contestá-las?. A Vasp adquiriu 51,23% do LAB em 95 por US$ 47 milhões. As acusações foram feitas por funcionários do LAB.Em dezembro do ano passado, o LAB sofreu intervenção do governo devido a denúncias contra seus acionistas majoritários, a família Canhedo. De acordo com essas denúncias, publicadas também na imprensa boliviana, Wagner e Ulisses Canhedo teriam se aproveitado indevidamente de um fundo de US$ 22 milhões, utilizado outros US$ 26 milhões em ações de uma subsidiária (Sita) e não ter desembolsado os US$ 47 milhões com os quais adquiriram o controle do LAB há quase sete anos."O Lloyd é uma companhia que fatura US$ 15 milhões por mês e tem despesas totais de US$ 17 milhões. Então, ninguém poderia tirar de lá sequer US$ 100, quanto mais US$ 100 milhões", disse Canhedo, em entrevista à Agência Estado. A Vasp vendeu no dia 3 de dezembro os 51,23% do LAB adquiridos em 1995 para um empresário boliviano. "Agora, a responsabilidade dos ativos e dos passivos dessa companhia é do empresário que assumiu a empresa", afirmou. De acordo com ele, o passivo de curto e longo prazos do Lloyd no momento em que foi feita a transação era de US$ 102 milhões e o patrimônio líquido positivo somava US$ 40 milhões. Canhedo não quis informar o montante da transação entre a Vasp e os atuais donos do Lloyd Aéreo Boliviano.Canhedo explicou também que os 42% que Vasp tinha na companhia Equatoriana de Aviação foram definitivamente transferidos para o governo do Equador. "Descobrimos que os países da América do Sul, principalmente a Bolívia e o Equador, não estão preparados para participar do processo de globalização da economia", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.