Cantidiano quer punição se confirmado uso de pesquisa

O novo presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Luiz Leonardo Cantidiano, pretende punir de forma exemplar os culpados caso seja comprovado uso de pesquisa eleitoral para manipular o mercado. Desde o mês passado, a autarquia vem investigando o uso de pesquisas eleitorais por bancos e corretoras. A intenção de Cantidiano é discutir com o colegiado do órgão a possibilidade de obrigar as instituições a não operarem no mercado até que divulguem o resultado da pesquisa. Se a CVM não tiver poder para isso, explicou o novo presidente, fará uma deliberação dando orientações de como proceder nesses casos. Além disso, conversará com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre como a lei poderia ser alterada para evitar esses problemas. Cantidiano adiantou, porém, que alguns casos poderiam ser enquadrados como práticas fraudulentas ou manipulação de mercado. "Alguém encomenda a pesquisa, solta um boato e consegue lucrar com isso. Nesse caso, acho que dá para enquadrar em alguma regra da CVM", explicou Cantidiano. "Não pode ter gente de mercado se utilizando do momento eleitoral para ganhar em cima de quem está desinformado", afirmou Luiz Leonardo Cantidiano, que tomou posse hoje como presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Segundo ele, a autarquia irá priorizar esta investigação por ter uma grande influência sobre o comportamento do mercado financeiro nesse período pré-eleitoral. "O uso de pesquisa deverá ter uma punição exemplar se for confirmado", afirmou o novo presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.