Caoa Chery
Caoa Chery

Caoa inicia produção de dois utilitários híbridos na fábrica de Goiás

Grupo também vai vender, a partir da próxima semana, o minicarro iCar importado da China, que passa a ser o elétrico mais barato no País

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2022 | 19h14

O grupo Caoa Chery informou que já está produzindo na unidade de Anápolis (GO), dois veículos híbridos flex, tecnologia até agora só utilizada pela Toyota, que tem liderado o mercado de eletrificados no País.

O comunicado ocorre pouco mais de um mês após o grupo anunciar o fechamento da fábrica de Jacareí (SP). A unidade ficará fechada por três anos, período em que será também preparada para produzir apenas veículos eletrificados, disse a empresa.

Márcio Alfonso, vice-presidente de Operações da Caoa Chery, aposta que, ao longo desse período, a fábrica goiana estará com a capacidade tomada, de cerca de 100 mil veículos ao ano em três turnos, e precisará complementar sua linha de eletrificados na unidade do interior de São Paulo.

“O que mais vai demorar não é a reestruturação da fábrica, mas a criação, desenvolvimento e produção de uma nova família de veículos em Jacareí”, disse o executivo. “Temos planos ambiciosos para o Brasil e não vamos fechar (definitivamente) essa fábrica."

Entre dirigentes do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região há receios de que o grupo não volte a operar em 2025, como está previsto, embora representantes da empresa tenham dado essa garantia ao Ministério Público do Trabalho (MPT) na semana passada, quando foi fechado acordo de indenização para os mais de 400 funcionários da produção.

Alfonso informou que enquanto passa por reforma, a planta será usada para receber veículos importados e fazer o processo de nacionalização, que costuma exigir algumas adaptações.

Elétrico mais barato do mercado

O anúncio oficial da virada da Caoa Chery para o processo de eletrificação de toda sua linha ocorreu um dia depois que a General Motors avisou que vai trazer ao País três modelos elétricos a partir de 2023, a versão SUV do Bolt e os também utilitários Blazer e Equinox elétricos. Neste ano a empresa deve também retomar as vendas do Bolt sedã.

De acordo com Alfonso, na próxima semana a Caoa Chery começa a oferecer o importado iCar, que passa a ser o elétrico mais barato do mercado. Com espaço para quatro passageiros, ele custa R$ 140 mil.

Em agosto chegam o Tiggo 8 Plug-in Hybrid e o sedã Arrizo 6 Hybrid flex, ambos importados. O Arrizo recebe o sistema flex da Magneti Marelli do Brasil para ser incorporado ao carro na China.

“O Tiggo 8 Plug-in inicialmente será importando, mas, dependendo do mercado, também poderemos produzir ele no País”, afirmou o executivo.

Segundo ele, os modelos híbridos fabricados localmente têm acima de 30% de índice de nacionalização. A ideia é aumentar esse índice, mas os preços de componentes no País continuam não sendo competitivos, “mesmo com o câmbio alto”.

Hoje, disse Alfonso, os itens que estão sendo nacionalizados são mais em razão do alto custo da logística para a importação do que da competitividade local. “Até o final do ano passado o custo de um contêiner era de US$ 3,1 mil; hoje está US$ 7 mil e ainda assim tem de ser rápido na contratação, do contrário acaba". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.