Capacidade da economia de resistir a choques é comprovada

O início do período de aversão a risco em junho e as reações dos indicadores brasileiros comprovaram que tem havido um aumento da capacidade da economia brasileira a resistir a choques, segundo o diretor de Política Econômica do Banco Central, Afonso Bevilaqua. "O que era uma suspeita nos últimos anos se confirmou", disse o diretor ao abrir o VIII Seminário de Metas para Inflação, na sede carioca da instituição. De acordo com ele, o movimento de aversão ao risco foi mais sentido nos títulos indexados a preços, como as NTN-B, "que ainda tem baixa liquidez".Ele voltou a afirmar que a partir de 2004, o mercado passou a prever com maior precisão as decisões do Comitê de Política Monetária (Copom). Segundo o diretor , "os bons resultados" no combate a inflação vêm não só da política monetária, mas também "da mudança significativa na política fiscal" desde o fim dos anos 90 e do câmbio flutuante.Bevilaqua defendeu o regime de câmbio flutuante que, disse, "tem funcionado como se esperava que funcionasse em nosso País: como mecanismo de absorção de choques". Na ocorrência de choques, a moeda local se desvaloriza, "quando as coisas melhoraram ele se aprecia", afirmou. Ele observou que houve um grande aumento das exportações nos últimos anos, o que contribui para a valorização do câmbio. "De janeiro de 2004 para cá, o Banco Central já adquiriu US$ 40 bilhões em reservas". Bevilaqua também observou que o prêmio de risco Brasil diminuiu em relação à media dos países emergentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.