Capacidade da indústria deve crescer 11% em 2008, prevê FGV

A expansão da capacidade instaladadas indústrias prevista para 2008 deve ser de 11 por cento, emmédia, o maior percentual registrado nos últimos cinco anos,segundo sondagem da indústria de transformação divulgada pelaFundação Getúlio Vargas (FGV), nesta quarta-feira. Para o triênio 2008-2010, a expansão da capacidade deprodução projetada é de 22 por cento, o maior percentualapresentado pela série da pesquisa desde janeiro de 2005. Segundo a FGV, o nível atual da demanda interna vemimpulsionando os investimentos produtivos em 2008, sendoapontado por 87 por cento das empresas como uma influênciapositiva para a realização de investimentos. Do total deentrevistados, apenas 2 por cento considerou o mesmo fator comoalgo negativo. Para 52 por cento das empresas, a demanda externa foiinfluência positiva no período e negativa para 10 por centodelas. Nos dois casos, segundo a FGV, o quadro traçado em 2008não difere muito dos resultados apurados no ano passado. Entre outros fatores positivos apontados pelas empresasestão a expectativa de rentabilidade com novos investimentos(88 por cento dos pesquisados) e as condições de financiamento(apontadas por 38 por cento das empresas). Já a taxa de juros foi o fator considerado mais negativo doque positivo pelas empresas. Os juros foram considerados comofator negativo por 36 por cento das empresas e positivo por 23por cento dos pesquisados. A sondagem foi realizada entre os dias 3 de janeiro e 28 defevereiro. Foram apuradas as previsões das 381 empresas queparticipam da pesquisa nos últimos cinco anos. (Por Cláudia Pires)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.