Capacidade está no limite

O ritmo de produção da indústria continuou acelerado este mês, apesar de um ligeiro recuo no uso da capacidade instalada. Em dezembro, as 1.080 empresas consultadas pela Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação da Fundação Getúlio Vargas (FGV) ocupavam, em média, 86,7% da sua capacidade total de produção, com queda de 0,5 ponto porcentual em relação ao índice registrado em novembro de 87,2%. O índice de uso da capacidade registrado no mês passado foi o maior desde outubro de 1976.Mesmo com a pequena queda de novembro para dezembro, o uso da capacidade atual das fábricas supera o de dezembro de 2006, quando o indicador estava em 84,4%. O resultado deste mês é o quarto maior em 31 anos.A pesquisa aponta que houve acréscimo na comparação anual no uso da capacidade das fábricas de bens de capital, de consumo e de materiais de construção e praticamente estabilidade nas indústrias de bens intermediários. A indústria automobilística se destaca e usa hoje 90,5% da capacidade das fábricas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.