Capital estrangeiro está deixando a Bovespa

O balanço dos investimentos estrangeiros na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) mostrou uma saída líquida de R$ 310,5 milhões em julho. A compra de ações totalizou R$ 2,929 bilhões, enquanto a venda somou R$ 3,239 bilhões. Com isso, o saldo acumulado no ano aponta para um déficit de R$ 121,2 milhões. Em junho, o resultado estava positivo em R$ 189,3 milhões - o único mês em que o balanço anual saiu do vermelho.Analistas do mercado acreditam que os números indicam uma migração cada vez maior dos investidores, especialmente dos estrangeiros, para os recibos de ações brasileiras negociados na Bolsa de Valores de Nova York - os American Depositary Receipts (ADRs). Eles dão ganho maior porque os custos com suas operações são reduzidos - não há Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira (CPMF) e as taxas de corretagem são menores."No passado, o mercado de ADRs era pequeno. Hoje, é maior do que o da Bovespa", afirma o diretor de Renda Variável do BankBoston Asset Management, Júlio Ziegelmann. Segundo ele, em julho os investidores fizeram uma "realização de lucros", termo que define a prática do mercado de vender os papéis valorizados para embolsar o ganho. Entre 23 de maio de 7 de julho, o Ibovespa teve valorização de 30%, estimulando as vendas.O saldo de julho também sofreu o impacto da queda da Nasdaq e da instabilidade política causada pela suspeita de envolvimento do ex-secretário geral da Presidência da República Eduardo Jorge com o juiz Nicolau dos Santos Neto, acusado de desviar R$ 169 milhões dos cofres da União. O gestor de Renda Variável da Sul América, André Laponi, lembra também que em junho, o balanço foi influenciado pela recompra das ações da Telesp pela Telefônica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.