Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Covid-19

Quem se recupera antes da crise: Europa ou Estados Unidos?

Capital estrangeiro está pronto para aportar no Brasil

Segundo Seth Weintrob, head global de Real Estate do Morgan Stanley, investidores aguardam reformas

Eliane Sobral, ESPECIAL PARA O ESTADO

25 de abril de 2019 | 06h00

O setor imobiliário brasileiro pode ser o destino de um expressivo fluxo de capital estrangeiro, de acordo com o head global de Real Estate do Morgan Stanley, Seth Weintrob. Ele foi o convidado internacional do Summit Imobiliário 2019 e, além de dar um panorama da movimentação financeira ao redor do mundo, falou também das tendências para o setor. 

Os investidores internacionais andaram reticentes com o Brasil, disse ele. Mas a perspectiva do novo governo de fazer as reformas econômicas botou o País de novo no radar do capital estrangeiro. “De forma geral, as pessoas estão otimistas e querem investir. Na Índia, também foi assim, observaram as mudanças para só depois investir”, afirmou o executivo.

Para Weintrob, a disputa na atração do capital estrangeiro entre os Brics está concentrada entre Índia e Brasil. “Até pouco tempo, a Índia era o destino apenas de operações de back office. Hoje, há uma grande demanda de multinacionais q    ue querem se instalar por lá”, disse. Ele não minimiza o papel da China na atração de capital, mas ressalva que o humor governamental chinês não é algo que atraia os investidores. 

Quando perguntado sobre as expectativas internacionais em relação ao novo governo brasileiro, o executivo foi rápido em responder. “Acho que têm uma visão otimista. Há uma série de iniciativas que são positivas, como as medidas na área da segurança e no combate à corrupção. Mas os investidores vão observar o que vai acontecer. Neste momento, estão apenas olhando cuidadosamente.” 

Para Seth Weintrob, é difícil estimar quanto o Brasil poderia receber no curto e médio prazos, mas lembra que só o fundo Blackstone, um dos maiores do mundo, identificou uma oportunidade de negócio na Índia e fez um investimento de US$ 4 bilhões.

“Primeiro foi o Blackstone, depois foram outros grandes fundos com aportes na casa dos bilhões de dólares. Isso pode dar uma dimensão do que estamos falando para o mercado brasileiro. Claro, são mercados diferentes e os investidores consideram o ambiente e as oportunidades. Mas, sim, creio que há muitos fundos prontos para investir no Brasil.”

Futuro

Weintrob falou ainda das iniciativas globais às quais o empresário brasileiro deve estar atento. “Há uma tendência global de busca por novas opções como espaços para logística de e-commerce, espaço para instalação de torres de telefonia móvel, coliving e coworking, entre tantas novidades”, disse, acrescentando que inovações no sistema de construção também são muito bem-vindas e atrativas para quem quer investir no segmento. “Não pensem apenas em investimentos. Pensem também em novos produtos e em novas soluções”, sugeriu o executivo do Morgan Stanley. 

Serviços

Ele alerta que as mudanças de comportamento vão continuar influenciando o futuro do setor, lembrando que as gerações Y e Z estão mais focadas em experiências do que em bens materiais. “Em todo o mundo, o mercado está focado em oferecer mais serviços. E essa é a mudança: nos vermos mais como provedores de serviços do que de espaços físicos. Essa será a grande diferença entre perdedores e ganhadores.”

Os exemplos do que Weintrob disse já faz parte do nosso dia a dia, como chaves automáticas em hotéis, a possibilidade de comprar uma residência sem a presença física de um corretor de imóveis ou os painéis de energia solar no telhado de residências e empresas. Internet das coisas e sustentabilidade, lembra o executivo, são o nome do novo jogo. “Nos Estados Unidos, você já vê isso em casas da classe média”, comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.